Líder iraniano rejeita plano da AIEA para urânio

O governo iraniano anunciou ontem oficialmente que se recusa a enviar 75% de seu urânio de baixo enriquecimento (1.200 quilos) para ser processado em duas etapas, na Rússia e na França, ao longo de 18 meses. A resposta frustrou os termos da proposta de Viena, apresentada no mês passado por EUA, França e Rússia, na Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).

AP e AFP, O Estadao de S.Paulo

25 de novembro de 2009 | 00h00

Até então, parlamentares, ministros iranianos e até o presidente Mahmoud Ahmadinejad manifestavam publicamente oposição ao acordo, sem deixar claro, contudo, se isso refletia a posição final de Teerã

Em La Paz, Ahmadinejad e o presidente da Bolívia, Evo Morales, criticaram os EUA, selaram aliança "anti-imperialista" e assumiram compromisso de usar a energia nuclear para fins pacíficos, apesar da preocupação das potências ocidentais com o programa atômico iraniano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.