Líder norte-coreano celebra instrumentos musicais 'patrióticos'

Deixando de lado a retórica belicosa das últimas semanas, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, apareceu no domingo na imprensa estatal inspecionando violões e tambores produzidos pelo Exército, e disse que é importante produzir instrumentos musicais de qualidade, para que seus soldados "passem seus dias proveitosos no Exército cheios de alegria e otimismo militante".

Reuters

25 de março de 2013 | 09h15

A agência estatal de notícias KCNA também o mostrou inspecionando sobretudos para alunos das principais escolas militares, e sugerindo melhorias no estilo.

Segundo observadores militares, as Forças Armadas norte-coreanas --que têm 1,2 milhão de integrantes, o quarto maior contingente mundial-- dedicam a maior parte do seu tempo a atividades como a indústria e a pesca de caranguejo, porque os exercícios militares são caros demais para o país, e os militares precisam se alimentar.

A orientação de Kim segue o exemplo do seu falecido pai, o dirigente Kim Jong-il, que costumava dar conselhos a fábricas, agricultores e às Forças Armadas.

Kim Jong-un, de 30 anos, ainda está muito distante de repetir os feitos atribuídos ao seu pai -- os quais incluem, segundo a KCNA, a invenção do oungum, um instrumento semelhante ao banjo que é "enormemente popular" na Coreia do Norte, e ter feito 11 "holes-in-one" num só jogo de golfe.

(Reportagem de Somang Yang)

Tudo o que sabemos sobre:
COREIANINSTRUMENTOSPATRIOTICOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.