Líderes da AL discutem crise de alimentos

Representantes se reúnem em Caracas para discutir resposta unificada ao problema.

Da BBC Brasil, BBC

30 de maio de 2008 | 10h45

Representantes de 26 países latino-americanos e caribenhos se reúnem em Caracas nesta sexta-feira para discutir o aumento do preço dos alimentos e uma política unificada da região para lidar com o problema.O encontro na Venezuela marca o início de uma semana de reuniões sobre o assunto que antecedem o encontro organizado pela ONU em Roma, a partir de terça-feira.Na quinta-feira, o Banco Mundial afirmou que o preço dos alimentos subiu 83% nos últimos três anos e anunciou um pacote de US$ 1,2 bi para ajudar a combater a crise.No mesmo dia, um relatório da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a FAO, e da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), alertou que a alta dos alimentos deve se manter, com o aumento da demanda nos países em desenvolvimento e dos custos de produção.Os preços podem cair, mas apenas gradualmente, afirma o relatório.AjudaAssim como no resto do mundo, a população pobre da América Latina não escapou da alta dos preços.Enquanto alguns países trabalham juntos para combater a crise, ainda não houve uma resposta unificada, e a reunião na Venezuela pretende consertar isso, afirma o correspondente da BBC em Caracas James Ingham.Em um encontro recente com líderes europeus, chefes de Estado da América Latina prometeram fortalecer as relações comerciais.Mas um encontro alternativo realizado por movimentos sociais da região culpou a liberalização e desregulamentação como principais causas da pobreza.Alguns dos governos de esquerda da região compartilham desta visão e estão se concentrando em tentar reduzir a dependência de importações, criando um fundo para o desenvolvimento da agricultura para ajudar a alcançar o objetivo.Em preparação para o encontro da FAO em Roma, na semana que vem, o Banco Mundial disse que "é necessário um plano de ação claro".Parte do pacote proposto na quinta-feira é destinar um total de US$ 200 milhões para países de "alta prioridade", onde populações sofrem maior risco de fome aguda.O Banco Mundial afirma que 100 milhões de pessoas em todo o mundo podem ficar ainda mais pobres pelo alto custo e escassez dos alimentos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.