Liminar adia abertura de centro de compra popular no RS

Porto Alegre terá de apresentar 'habite-se' e alvará do Corpo de Bombeiros para poder abrir 'camelódromo'

Elder Ogliari, estadao.com.br

26 Janeiro 2009 | 14h09

Uma liminar concedida pela Justiça ao Ministério Público impediu a prefeitura de Porto Alegre de inaugurar o Centro Popular de Compras nesta segunda-feira, 26. O despacho da juíza Mara Lúcia Coccaro Martins exigiu que o município apresente a carta de habitação, conhecida como "Habite-se", e o alvará do Corpo de Bombeiros antes de abrir o prédio à população.   A emissão dos documentos depende de ajustes como instalação e testes das válvulas de gás nas lanchonetes, sinalização das saídas de emergência e bloqueio de uma infiltração detectada na semana passada. Técnicos da prefeitura acreditam que as exigências serão atendidas em três dias.   Enquanto o prédio não fica pronto, os 800 vendedores ambulantes que ocupariam os boxes do Centro Popular de Compras voltaram às ruas da cidade. O entorno da Praça 15 de Novembro e a Rua José Montaury, que a prefeitura prometia liberar para os pedestres, permanecem tomados de barracas por mais alguns dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.