Linha com cerol mata mulher em Itapetininga

A dona de casa Claudete Dilma Gonçalves Vieira, de 53 anos, morreu depois de ter o pescoço cortado por uma linha de pipa com cerol, no final da tarde deste domingo, 9, em Itapetininga, região de Sorocaba. Ela estava na garupa de uma motocicleta, no Jardim São Camilo, quando a linha a atingiu, causando um corte profundo em sua garganta. Artérias foram rompidas e a mulher perdeu muito sangue. O mototaxista que pilotava o veículo acionou o serviço de emergência da Polícia Militar.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

10 Junho 2013 | 15h05

Claudete foi levada para o Hospital Regional de Itapetininga e passou por uma cirurgia, mas não resistiu. Seu corpo foi sepultado no início da tarde desta segunda-feira no Cemitério São João Batista. Policiais deram buscas para localizar o dono da pipa, sem resultado. O uso de cerol - vidro moído com cola - nas linhas de pipa é proibido por lei, mas os acidentes são comuns. No dia 31 de maio, o ajudante geral Gilson Gomes Teixeira, de 46 anos, quase foi degolado por uma pipa quando seguia de motocicleta pela rodovia João Mellão, em Avaré. Ele recebeu 27 pontos de sutura no corte e ainda se recupera das lesões.

Mais conteúdo sobre:
cerolmorteItapetininga

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.