Linux lançará novos serviços em celulares de preço baixo

O sistema operacional livre Linux ajudará Motorola, Samsung, Panasonic e NEC a produzirem celulares avançados que poderão ser vendidos por menos de US$ 125, e permitirão lançamento acelerado de novos serviços. "Acreditamos que será possível levar o Linux aos celulares com preço médio de venda de US$ 125, e que os aparelhos ainda assim teriam ótima qualidade. Dentro de cinco anos, quando obtivermos sucesso, mais de metade dos celulares da Motorola usarão o Linux", disse Greg Besio, vice-presidente de software para aparelhos móveis da Motorola. Motorola, Samsung e Panasonic (parte do grupo Matsushita) se aliaram às operadoras de telefonia móvel Vodafone e NTT DoCoMo, no ano passado, para desenvolver softwares baseados no Linux com o objetivo de usá-los em celulares. Juntas, essas empresas fabricam mais de 95% dos celulares acionados por Linux. Por um lado, a colaboração representa um esforço para economizar na aquisição de software usado em celulares multimídia, como o Symbian Series 60 ou o Windows Mobile, da Microsoft . "O custo do Symbian e do Windows Mobile não é insignificante, e só se pode usá-los nos aparelhos mais caros", disse Besio em entrevista na feira 3GSM, que acontece em Barcelona. A maior parte dos celulares que operam com software Symbian e Windows Mobile hoje em dia tem preço superior a US$ 200. "Mas a principal razão é estratégica. Queremos a capacidade de direcionar e sustentar a inovação por nossa conta", disse Besio, que também expressou dúvidas de que a Nokia, que controla o Series 60 porque é proprietária da Symbian, ajudaria a Motorola, sua maior rival, a desenvolver produtos melhores. As quatro fabricantes somadas vendem centenas de milhões de celulares a cada ano, o bastante para sustentar um novo sistema operacional como o Linux. Elas serão capazes de incluir inovações em um aparelho em uma fração do tempo que levariam para conseguir aprovação a mudanças em outros sistemas de software. "Será como o Google. Quando eles têm um serviço novo, o experimentam em seus servidores e a seguir o oferecem aos usuários em forma de um link em sua página inicial. Da mesma forma, quando nossos usuários acordarem vão encontrar em seus celulares uma mensagem da operadora de telefonia móvel oferecendo um novo serviço para que experimentem", disse Besio.

Agencia Estado,

15 Fevereiro 2007 | 17h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.