Lista dos últimos anos passará por operação pente-fino

O Tribunal de Contas da União (TCU) planeja fazer uma operação pente-fino na lista de transplantes realizados nos últimos anos. Diante das falhas na segurança detectadas no Sistema Informatizado de Gerenciamento (SIG), os auditores do tribunal pretendem verificar se a ordem para escolha do receptor foi respeitada em alguma ocasião.

BRASÍLIA , O Estado de S.Paulo

30 Abril 2012 | 03h04

Essa análise, no entanto, esbarra em uma resistência do Ministério da Saúde, que cita a privacidade dos doadores e dos receptores de órgãos. "As informações são sigilosas. Elas envolvem dados de pacientes e não podem ser enviadas para análise", afirmou o coordenador do Sistema Nacional de Transplantes, Helder Murati.

Para que esse impasse seja resolvido, tanto o tribunal quanto o ministério apontam várias alternativas, que estão sob análise. O TCU sugere que sejam enviados dados com identificações numéricas. Murati, por sua vez, defende que a análise seja feita dentro da própria pasta.

Entre os problemas levantados pelos auditores do tribunal estava a possibilidade de alguém alterar a data de inscrição do paciente candidato à doação sem que o sistema registrasse o autor dessa modificação. Essa falha, considerada grave pela equipe do TCU, poderia permitir também a alteração da posição do paciente na lista. De acordo com o ministério, esse problema já foi reparado.

O TCU também identificou a possibilidade de serem feitas outras alterações no sistema sem que o autor fosse identificado. Segundo o relatório do tribunal, em algumas mudanças nos registros figuravam como autor da mudança expressões como "administrador" ou "equipe".

"Parte dos pedidos feitos pelo TCU já foram resolvidos. Vamos responder tudo ao tribunal", disse Murati. / L.F.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.