Lobão diz que aumento na gasolina é possível neste ano

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse nesta quarta-feira que há possibilidade de aumento no preço da gasolina neste ano, mas que a decisão ainda não está tomada.

Reuters

08 de agosto de 2012 | 11h50

"Existe a possibilidade, não existe a decisão", disse o ministro a jornalistas, ao acrescentar que há necessidade, por parte de Petrobras, de que haja aumento.

As ações da Petrobras disparavam na Bovespa nesta quarta-feira, refletindo a expectativa de possível novo aumento de preços de combustíveis ainda neste ano.

Às 11h43, o papel preferencial subia 3,4 por cento, a 21,96 reais, e o ordinário tinha alta de 4,2 por cento, a 21,90 reais. Enquanto isso, o principal índice de ações da Bovespa subia 1,48 por cento.

O aumento a ser realizado ainda não está definido e está sendo discutido pelo Ministério da Fazenda e pelo Ministério de Minas e Energia, segundo Lobão, para que primeiro se chegue a um número ante de se tomar a decisão.

O ministro admitiu a orientação do governo para esperar um pouco para realização do aumento de forma a não haver impacto na inflação, mas que o governo pode vir a ceder diante da necessidade de um aumento.

Segundo o ministro, o aumento que foi dado no preço da gasolina não chegou ao consumidor em função da redução da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico), mas ele não compensa a defasagem que a Petrobras tem em relação aos preços internacionais.

Esta diferença foi apontada como um dos motivos, mas não o principal, para o prejuízo registrado pela estatal no último trimestre, o primeiro em mais de 13 anos.

Executivos da Petrobras já afirmaram anteriormente que a meta é buscar paridade internacional para os preços dos combustíveis vendidos no Brasil.

(Por Jeferson Ribeiro, texto de Anna Flávia Rochas)

Mais conteúdo sobre:
ENERGIALOBAOGASOLINAATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.