Localização por GPS e controle giratório estão presentes no i617

Apesar de ter um teclado grande, o i617 consegue ter uma cara menos "corporativa". Suas dimensões são menores para um aparelho deste tipo: 1,3 centímetros de espessura e 6,1 de largura. Serve razoavelmente bem tanto a quem precisa de conectividade fácil quanto a quem usa o telefone para o trabalho. Ele vem com Windows Mobile 6.0, o que facilita muito a sincronização com o Outlook e a abrir documentos do Office. Textos do Word, planilhas do Excel e apresentações do PowerPoint. O problema do Windows Mobile ainda é o Internet Explorer. O navegador até tem recursos legais, como a ferramenta que completa os endereços automaticamente, mas o programa não ajusta direito as páginas na tela e não mostra um "minimapa" do site ao arrastar a janela. Isso vale para todos os smartphones com o sistema. O i617 é o único que consegue captar sinais de localização por satélite (GPS). Com o programa do Google Maps ou outro software de navegação (pela Vivo, vem com o Vivo Co-piloto) é possível traçar rotas pelas ruas da cidade. Também tem um controle de rodinha que melhora a navegação pelos menus e pelos mapas. Outra coisa legal é que o i617 tem uma espécie de busca inteligente. Ao digitar algumas letras, ele faz a busca por contatos e ferramentas do celular automaticamente. Só que, se por um lado o smartphone traz facilidade, por outro complica a vida do usuário. Os botões do teclado são muito próximos, o que pode atrapalhar quem tem dedos largos. Para adicionar letras com acentos, é preciso ainda entrar no menu dos símbolos. Ele também não tem recurso Wi-Fi (internet sem fio), não tem comando de voz e é complicado fazer chamadas de conferência. É preciso primeiro ligar para um número, retê-lo, ligar para o outro e depois escolher a opção de conferência. FICHA TÉCNICA PREÇO | R$ 1.399 (sugerido) OPERADORA | Vivo FREQÜÊNCIA 3G | 2,1 GHz O QUE TEM DE BOM | GPS, controle de roda, fino O QUE TEM DE RUIM | Não tem Wi-Fi, conferência difícil

02 Junho 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.