Lojas britânicas terão que indenizar vítimas de sofás que queimam

Fabricados na China, móveis vieram com substância antimofo que provocou queimaduras em clientes.

BBC Brasil, BBC

26 Abril 2010 | 14h27

Um tribunal britânico determinou nesta segunda-feira que lojas de departamento do país paguem até 20 milhões de libras (cerca de R$ 56 milhões) em indenizações a até 2 mil pessoas que reclamaram de queimaduras químicas provocadas por um modelo de sofá vendido por elas.

Estima-se que até 100 mil dos sofás fabricados na China, que contêm o produto químico fungicida dimetilfumarato (DMF), foram vendidos nas lojas britânicas.

A substância deveria servir para evitar que os sofás criassem mofo enquanto estivessem estocados.

Entretanto, depois que os móveis foram comprados e levados para casa pelos clientes, o produto se vaporizou e provocou queimaduras, mesmo através de roupas.

'Problemas psicológicos'

As vítimas disseram ter sofrido ferimentos na pele e nos olhos, além de apresentarem dificuldades para respirar ou outros problemas de saúde.

Cada pessoa deve receber entre 1,2 mil e 9 mil libras (aproximadamente entre R$ 3,2 mil e R$ 24,5 mil) em indenizações, além do ressarcimento de prejuízos pelo cancelamento de compromissos das vítimas e por salários perdidos.

"As pessoas puseram suas vidas de lado enquanto esperavam para saber o que estava acontecendo", disse Richard Langton, advogado de clientes lesados. "Muitos pensaram que estavam morrendo, que estavam com câncer de pele."

"Muitos médicos não conseguiam saber o que os pacientes tinham, houve vários problemas psicológicos", descreveu.

Redes de lojas populares na Grã-Bretanha como Argos, Homebase e Walmsleys admitiram a culpa por terem vendido os sofás.

Os advogados delas disseram que a União Europeia já proibiu o uso de DMF, depois que casos semelhantes foram registrados em pelo menos outros cinco países do bloco.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.