Lucas Mendes: Mistérios do pacifista

Gulen prega a construção de escolas em vez de mesquitas.

Lucas Mendes, BBC

17 Maio 2012 | 09h33

Numa poltrona, diante de uma estante de livros, paletó, sem gravata, calvo, bigode branco em cima de um sorriso discreto. Nem na minha família de gente tão doce havia um parente com a expressão tão pacífica como a deste senhor de 73 anos, que já foi comparado a Gandhi, Martin Luther King e o Dalai Lama.

Publicou 60 livros e foi o primeiro líder muçulmano a denunciar os atentados às Torres.

O turco Fethullah Gulen é um líder religioso islâmico e a base de operações dele, na Pensilvânia, fica a menos de duas horas do Trade Center e a quatro da Casa Branca.

Nos últimos seis meses, com problemas de saúde, tem vivido em quase completa reclusão, mas se manifesta pela internet. Deu raríssimas entrevistas, uma delas para o New York Times, há dois anos, quando repetiu suas condenações ao terrorismo, seu interesse em educação, serviço comunitário e diálogo com cristãos e judeus. Ateus, não: são, para ele, tão desprezíveis quanto terroristas.

Esta é uma história complicada porque é difícil definir o gulenismo.

"Somos uma sociedade transnacional cívica", disse um assessor de Gulen, mas o próprio líder diz que a influência dele no gulenismo é minima, que não há nem mesmo um líder, nem poder central, nem hierarquia, nem agenda com objetivos específicos.

As pessoas supostamente são inspiradas, mas não ordenadas por ele. Mohammed Fethullah Gullen começou a estudar o Corão aos 5 anos - aos 14 fez seu primeiro sermão - e a conquistar adeptos na Turquia. Muçulmano suni sufista, desde cedo pregou o modelo político ocidental: "É um pecado não querer ficar rico".

"Estudar física, química e matemática é como rezar", é outra máxima de Gulen, que prega a construção de escolas em vez de mesquitas.

Elas hoje são as melhores da Turquia onde meninas e meninos estudam juntos. Além de dezenas de escolas, os gulenistas tem o maior jornal do país, estações de TV, o maior banco e dezenas de empresas.

Em 1999, Fethulla Gulen saiu da Turquia rumo aos Estados Unidos para cuidar da saúde, pouco antes de ser acusado por um promotor de conspirar para derrubar o governo.

Uma das evidências foi um sermão em que pregava aos seguidores para "penetrar silenciosamente nas instituições do Estado até chegar ao centro".

Em 2008, o processo foi arquivado, mas ele nunca voltou nem planeja voltar à Turquia.

Seu assessor diz que "provocaria tamanha comoção que não interessa nem ao governo nem aos adeptos porque daria a falsa impressão que ele tem poderes extraordinários".

Com a chegada dele, as escolas primárias e secundárias da rede Harmony, gulenista, se multiplicaram nos Estados Unidos. São escolas do modelo "charter", sustentadas com dinheiro público, mas fora do controle do Estado.

Há 130 delas pelo país, com mais de 20 mil alunos e outros 30 mil a espera de vagas. As Harmonys têm resultados acadêmicos acima das escolas públicas e duas delas entraram numa lista das dez melhores do país.

Enfatizam matemática, ciências e tecnologia, com milhares de professores importados da Turquia. Nenhuma delas ensina religião. Há outras 900 escolas espalhadas por 140 países, com resultados igualmente superiores.

Há sucessos e suspeitas. Vários professores turcos receberam vistos para ensinar nos Estados Unidos, inclusive inglês, e professores americanos perderam seus empregos. Uma professora demitida foi aos jornais e aos tribunais.

Ela acusa a rede de favorecer os turcos porque devolvem 40% dos salários para o "movimento". A fonte dela foi o marido, um professor turco.

Há uma investigação em curso sobre as demissões e abuso de vistos.

Há também um julgamento na Turquia em que dois conhecidos jornalistas investigativos, Nedim Sener e Ahmet Sik, respondem a um processo acusados de subversão, promover assassinatos e incentivar terrorismo e caos.

A Turquia tem 57 jornalistas na prisão, recorde mundial. O crime deles foi tentar publicar um livro O Exército do Imam, em que revelam como os seguidores de Gulen se infiltraram na polícia, Exército, Legislativo, Judiciário e agências de segurança. O caso mobilizou defensores de direitos humanos do mundo inteiro. A decisão deve sair a qualquer momento.

Dois ex-secretários de Estado americanos, Madeleine Albright e James Baker III, receberam Gulen de braços abertos e já falaram em seminários promovidos por um instituto em Washington sustentado com dinheiro gulenista, mas memorandos do Departamento de Estado revelam incertezas sobre o recluso muçulmano das montanhas da Pensilvânia, tão perto de Washington, Nova York e das cabeças dos estudantes americanos.

Fethullah Gulen ocupa apenas dois quartos na comunidade de 10 hectares com vários prédios na região dos Poconos, cenário de vários filmes, inclusive de Woody Allen.

Tão perto e tão secreto. Gulen é o maior pacifista muçulmano do nosso tempo ou o mais eficiente agente secreto de Maomé? BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
colunasalso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.