Lucro da Brasil Tel supera expectativa de analistas

Amparada pelo bom desempenho da áreade telefonia móvel e pela redução do endividamento, a BrasilTelecom Participações apresentou resultado trimestral superiorao esperado por analistas. A companhia, que aguarda aprovação dos órgãos reguladores emudança nas leis brasileiras para ser comprada pela Oi, tevelucro líquido de 254,4 milhões de reais no período de abril ajunho, um salto de 75 por cento sobre o mesmo trimestre de2007. A média dos cinco analistas ouvidos pela Reuters apontavalucro de 197,5 milhões de reais. De acordo com o balanço da companhia, divulgado nestaterça-feira, os custos e despesas operacionais sofreram reduçãode 7,3 por cento quando comparados ao mesmo trimestre do anopassado, para 2,221 bilhões de reais. A maior redução foi naconta de pessoal, que caiu 40,2 por cento. A margem Ebitda da companhia foi de 40,1 por cento e tambémficou acima da projeção dos analistas, que era de 34,6 porcento das receitas. Sobre o mesmo trimestre de 2007, a margemteve alta de 4,6 pontos percentuais. A margem Ebitda da operação móvel, de acordo com o balanço,foi de 6,3 por cento, com alta de 5,1 pontos percentuais. A empresa informou ter registrado um recorde de adiçõeslíquidas de celular no segundo trimestre, que reúne Dia dasMães e dos Namorados como datas fortes de varejo. Foram 943,4 mil novos clientes, que fizeram com que aoperadora encerrasse o trimestre com 5 milhões de assinantes,um aumento de 33,1 por cento sobre igual trimestre de 2007. A dívida líquida da companhia caiu 8,2 por cento notrimestre sobre o mesmo período do ano anterior, para 1,156bilhão de reais. Segundo o balanço, a queda se deve à valorização do realsobre o endividamento em dólar e às amortizações feitas graçasà geração de caixa. A empresa tinha 2,381 bilhões de reais em caixa ao final dejunho, montante que era de 2,842 bilhões de reais no mesmotrimestre de 2007.

TAÍS FUOCO, REUTERS

15 de julho de 2008 | 20h02

Tudo o que sabemos sobre:
TELECOBRTATUALIZA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.