Lucro do Bradesco cresce 28,5% no 1o tri, a R$2,7 bi

O Bradesco encerrou o primeiro trimestre com lucro líquido de 2,7 bilhões de reais, um crescimento de 28,5 por cento ante igual período do ano passado, impulsionado por uma expansão de mais de 20 por cento nos empréstimos.

REUTERS

27 de abril de 2011 | 07h11

Em bases recorrentes, o lucro foi de 2,74 bilhões de reais, crescimento anual de 27,5 por cento. A previsão média de seis analistas ouvidos pela Reuters apontava para lucro excluindo efeitos extraordinários de 2,715 bilhões de reais.

A carteira de crédito do segundo maior banco privado do país somou no fim de março 284,7 bilhões de reais, 21 por cento acima do volume de empréstimos de um ano antes. No conceito expandido, que considera outras operações com risco de crédito originadas nas carteiras de empresas, a carteira encerrou março em 304,4 bilhões de reais, exibindo uma expansão de 22,6 por cento em 12 meses.

O crédito a pessoas físicas somou 100,1 bilhões de reais ante 86 bilhões de reais no primeiro trimestre de 2010, alta de 16,4 por cento. Já a carteira formada por empréstimos a grandes empresas encerrou o período com aumento de 19 por cento, para 96,9 bilhões de reais. Mas o segmento de micro, pequenas e médias empresas foi o que teve a maior evolução, crescimento de quase 30 por cento, passando de 67,8 bilhões para 87,7 bilhões de reais.

Enquanto o total dos financiamentos aumentou em mais de 20 por cento, a despesa com provisão para perdas com crédito teve avanço anual de 7,9 por cento, para 2,36 bilhões de reais. O desempenho foi "compensado, em parte, pela melhora da inadimplência e maior receita com recuperação de crédito, que evoluiu 20,7 por cento no período, atingindo 613 milhões de reais", afirma o Bradesco no balanço.

A inadimplência, medida por índice de operações vencidas a mais de 90 dias, apresentou movimento oposto, recuando de 4,4 por cento no primeiro trimestre de 2010 para 3,6 por cento nos três meses encerrados em março deste ano, mesmo patamar do quarto trimestre do ano passado.

O retorno anualizado sobre o patrimônio líquido médio fechou o primeiro trimestre em 24,2 por cento ante 22,2 por cento na comparação anual.

Os ativos totais do Bradesco totalizavam 675,387 bilhões de reais no final de março, com expansão anual de 26,8 por cento.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Mais conteúdo sobre:
BANCOSBRADESCORESULTS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.