Luis Fernando Verissimo está em estado grave

Escritor entrou em hospital de Porto Alegre com fadiga, dores musculares e febre, mas médicos não divulgaram diagnóstico

LUCAS AZEVEDO, ESPECIAL PARA O ESTADO, PORTO ALEGRE, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2012 | 02h14

O escritor e colunista do Estado Luis Fernando Verissimo, de 76 anos, está internado no Hospital Moinhos de Vento, em Porto Alegre, desde anteontem, em estado grave. Ontem, ele apresentou sinais de melhora. Os médicos não revelaram a causa da internação.

Em coletiva de imprensa, o superintendente médico da instituição, Nilton Brandão, contou que Verissimo entrou no hospital com fadiga, dores musculares e febre. A equipe médica diagnosticou o caso como grave.

Verissimo foi levado então para o Centro de Tratamento Intensivo (CTI), onde foi sedado, submetido a diálise e está respirando com a ajuda de aparelhos.

Ontem, Verissimo apresentou sinais de melhora, mas seu caso continua sendo classificado como grave.

A filha do escritor, Fernanda, disse que o pai começou a se sentir indisposto no dia 16, após ter participado de um evento literário na cidade de Araxá, em Minas Gerais, e ficado alguns dias no Rio de Janeiro. Segundo Fernanda, outras pessoas que o acompanharam nesse roteiro, como sua mulher, Lúcia, também passaram mal, mas já estão melhores.

Filho do escritor Érico Verissimo, Luis Fernando nasceu no dia 26 de setembro de 1936, na capital gaúcha. Em 1973, publicou seu primeiro livro, O Popular, uma coletânea de textos veiculados na imprensa. Seu personagem mais famoso foi lançado em 1981 - a primeira edição de O Analista de Bagé esgotou-se em dois dias. Em 1989, começou a assinar uma página dominical no Estado, onde continua colaborando, como colunista do Caderno 2. Também escreve para O Globo e Zero Hora. Consagrado autor de contos e crônicas, Verissimo tem se dedicado nos últimos tempos a escrever romances, como Os Espiões (2009).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.