Lula adapta discurso segundo plateia

Vaivéns nas declarações, ao comentar papel da imprensa, têm marcado fala do presidente nos últimos anos

Guilherme Scarance, O Estadao de S.Paulo

30 Outubro 2009 | 00h00

Com um poder de oratória reconhecido até pelos adversários, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deu ontem uma aula de como adaptar o discurso à plateia. Ante catadores de lixo, em São Paulo, disse que o povo não precisa mais de "intermediários". Em entrevista a um jornal venezuelano, mudou o enfoque: "Liberdade de imprensa é essencial." Esses vaivéns têm marcado o discurso do presidente.

Veja também:

link Em S. Paulo: 'Esse povo não quer mais intermediários (imprensa)'

link Em Caracas: 'Liberdade de imprensa é essencial'

No livro Dicionário Lula - Um Presidente Exposto Por Suas Palavras, do jornalista Ali Kamel, há um exemplo garimpado entre as falas de improviso. "Eu vou te dar um conselho de quem aprendeu fazer isso há muito tempo: o que é importante é a gente ler todos os jornais que puder por dia", disse Lula, em outubro de 2005. Três anos e dois meses depois, voltou atrás: "Eu não tenho isso (hábito de ler jornais todos os dias) faz tempo. Eu tenho problemas de azia."

EMPRESÁRIOS

Em agosto de 2006, na abertura do 6º Congresso Brasileiro de Jornais, Lula não titubeou e afirmou que a imprensa não pode ser "valor relativo". "Minha história política deve muito à imprensa livre e independente."

Neste ano, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, conseguiu irritar as mesmas entidades presentes àquele evento, ao afirmar que jornalista deve apenas informar, não fiscalizar.

Os episódios são vários. Após revelar sua azia ante o noticiário (fala à revista Piauí, no fim de 2008), o presidente, na mesma entrevista, afirmou que a sua chegada ao Palácio do Planalto era "produto direto da liberdade de imprensa".

Em fevereiro deste ano, irritado com a mídia - que apontou conotação eleitoral no Encontro Nacional com Novos Prefeitos e Prefeitas, em Brasília -, de novo recuou.

"Não é porque a imprensa me ajudou que fui eleito, mas porque suei para enfrentar o preconceito e o ódio dos de cima para com os de baixo", bradou o presidente, em discurso inflamado.

CHÁVEZ

Em novembro de 2006, ao apoiar a candidatura de Chávez à reeleição, ele subiu num palanque e disse que o colega era "vítima da incompreensão e do preconceito" da mídia.

Em setembro último, disse que "não faria o que fez o Chávez". Referia-se à revogação de licenças de dezenas de emissoras de rádio na Venezuela, criticada dentro e fora do país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.