Lula afirma que fará campanha em porta de fábrica

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou a operários nesta terça-feira, sem citar o nome da pré-candidata Dilma Rousseff (PT), que fará campanha eleitoral em porta de fábrica.

REUTERS

01 de junho de 2010 | 15h50

"Não pensem que vão se livrar de mim porque eu, ainda este ano, virei fazer campanha na porta da Volkswagen, lá fora, lá fora", disse Lula em discurso na unidade da Volkswagen no ABC paulista.

Depois, na entrevista, ele explicou que entrará na campanha depois das convenções que oficializam as candidaturas, em junho.

"Não é proibido o presidente da República fazer campanha, quando a campanha começar. O que eu não quero é fazer nada que possa infringir a legislação eleitoral, e isso só me permite fazer campanha depois que forem feitas as convenções partidárias e que os candidatos estiverem oficializados", afirmou.

Sobre as multas que já recebeu da Justiça, disse que "obviamente que não cabe ao presidente da República criar nenhum constrangimento para a Justiça Eleitoral".

No discurso, ele defendeu a continuidade de seu governo. "O Brasil vive um momento excepcional, e eu quero que isso continue, precisa continuar", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICALULACAMPANHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.