Lula critica Conselho de Segurança da ONU por ação na Líbia

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva condenou fortemente na sexta-feira o Conselho de Segurança da ONU por sua atuação na crise política na Líbia, envolvida há meses num levante rebelde que tenta derrubar o líder Muammar Gaddafi, há 41 anos no poder.

REUTERS

29 de julho de 2011 | 16h44

Em março, o conselho aprovou uma resolução que autorizou uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia e "todas as medidas necessárias" para proteger os civis contra as forças de Gaddafi. Semanas depois, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) assumiu as operações militares que estavam a cargo de uma coalizão ocidental.

"Se se quer uma governança global mais séria e responsável é preciso se repensar o Conselho de Segurança... um Conselho sério não faria o que foi feito na Líbia. Sentaria numa mesa de negociação. O mundo exige uma mudança", disse ele em palestra para militares na Escola Superior de Guerra.

Cerca de 30 países já reconheceram diplomaticamente a oposição como governo legítimo da Líbia, o que abre caminho para o desbloqueio de bens antes congelados, que poderão ser usados pelos rebeldes.

"Não podemos concordar com o que foi feito na Líbia. Se tivéssemos uma instituição de segurança forte (a invasão não teria acontecido", reforçou o ex-presidente.

Lula defendeu ao longo de seu mandato (2003-2010) uma presença mais expressiva de países emergentes e em desenvolvimento em vários organismos multilaterais, entre eles o Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas.

Ele classificou o órgão como antiquado e arcaico por ser formado apenas por representantes de nações ricas e defendeu que a entidade "precisa ter mais países para representar dignamente a vida contemporânea".

"Acho que o Conselho não representa hoje a geopolítica mundial. É uma realidade de 1948. Ele precisa representar uma realidade de 2011 e olhar como está África, América Latina, Ásia", destacou Lula ao afirmar que a presidente Dilma Rousseff precisa continuar a "briga" por um assento no órgão da ONU.

Com piadas, metáforas e analogias, Lula arrancou aplausos e gargalhadas durante a palestra de quase 2 horas para cerca de cem militares. Ele falou de sobre diversos temas, de reforma tributária a bagres do Rio Madeira.

"Tivemos hoje uma stand up comedy de duas horas", disse um militar de alta patente numa roda de conversa.

Lula lembrou de feitos e realizações do seu governo e destacou que muitos projetos superaram tudo o que foi feito pelos presidentes que o precederam.

O ex-presidente não se privou de criticar presidentes militares, entre eles, o general Ernesto Geisel, que, segundo Lula, foi o grande responsável pelo vertiginoso aumento da dívida pública brasileira no anos 1970.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICALULACRITICA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.