Lula defende maior regulação do sistema financeiro mundial

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu na segunda-feira o aumento da regulação do sistema financeiro internacional. O comentário é feito no mesmo dia em que o Congresso dos Estados Unidos deve votar o pacote de 700 bilhões de dólares do governo para restaurar a estabilidade do sistema financeiro. Iniciada em Wall Street, a crise se espalhou para os mercados de todo o mundo. Para Lula, os bancos centrais precisam tomar medidas duras para investigar e controlar o mercado. "O sistema financeiro também precisa ter muita ética", afirmou el em seu programa de rádio semanal, "Café com o Presidente". "Não se pode mais permitir que as pessoas transformem um banco em um verdadeiro cassino, onde o que vale é a aposta sem medir as conseqüências dessas apostas", acrescentou, ressalvando que os bancos brasileiros não têm culpa pela crise. O presidente voltou a dizer que o impacto dessa "profunda" crise internacional no Brasil deve ser "muito pequeno", pois o mercado doméstico está aquecido e os fundamentos da economia nacional são mais "sólidos". Lula afirmou ainda que o país Brasil vive "uma fase auspiciosa de crescimento" e está preparado para continuar a avançar. O presidente ponderou, entretanto, que o Brasil pode ser prejudicado se a economia norte-americana entrar em recessão. "É importante que o povo brasileiro saiba que uma crise de recessão em um país importante como os EUA pode trazer problemas a todos os países do mundo", alertou o presidente. (Reportagem de Fernando Exman; Edição de Vanessa Stelzer)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.