Lula diz que é o presidente que mais investiu em educação

'Fui vítima de preconceito neste País por não ter ensino superior', disse o presidente ao visitar obras da UFABC

Anne Warth, Agência Estado

28 de setembro de 2007 | 15h08

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que deverá passar para a história como o presidente que mais investiu em educação e na construção de universidades públicas e escolas técnicas no País.    "Vejam a ironia do destino. O metalúrgico que não tem diploma universitário vai passar para a história como o presidente que mais fez universidades e escolas técnicas no Brasil", afirmou, após visitar as obras do campus da Universidade Federal do ABC (UFABC), em Santo André.   Segundo ele, até 2010 o governo terá inaugurado dez novas universidades federais e terá aumentado o número de escolas técnicas de ensino profissionalizante de 140 (até o início de 2003) para 214.   "No Estado de São Paulo, entre 2003 e 2007, o aumento de vagas em universidades estaduais ficou em 16%, enquanto que nas universidades federais o aumento foi de 72%", declarou. "Se os números não estiverem certos, meu caro Haddad (Fernando Haddad, ministro da Educação), depois você se vira e explica", acrescentou Lula.   Mais tarde, o ministro, que também visitou as obras, admitiu que a quantidade de vagas das universidades estaduais era muito maior que o número de vagas em universidades federais no Estado. "No entanto, inauguramos a UFABC com 1.500 vagas, um número excelente", disse.   O presidente declarou que o governo está fazendo uma revolução na área da educação, que se tivesse sido iniciada há 50 anos, teria transformado o Brasil em uma das quatro maiores economias do mundo. Ele reclamou, porém, que essas ações não eram devidamente noticiadas. "Antes, quando se falava em educação, dizia-se que era um gasto. Mas cada centavo investido se transforma em um valor cem vezes maior em arrecadação em quatro anos depois", disse.   "A universidades é um investimento tão ou mais importante que qualquer outro no mundo. Estamos fazendo uma reforma estrutural na cabeça da sociedade", acrescentou.   Lula citou os investimentos de R$ 10 bilhões no Fundo da Educação Básica (Fundeb) e o aumento de oito para nove anos do ensino fundamental como ações para que o País entre definitivamente na era do conhecimento.   Lula criticou seus antecessores por não terem dado prioridade a educação. "Eu fui vítima de preconceito neste País por não ter ensino superior. Todo presidente tinha que ter ensino superior. Era um dogma", disse.   "Mas os anos de escola servem para um milhão de coisas, mas não para decisões políticas, em que você precisa decidir de qual lado está e ter consciência", acrescentou.

Tudo o que sabemos sobre:
lulahaddadeducaçãoufabc

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.