Lula não anistiou quem desmatou floresta, diz Minc

Menos de 24 horas após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter dito que quem desmatou a Floresta Amazônica no passado não é "bandido", o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, disse hoje que Lula não anistiou os desmatadores. "Como é que o Lula anistia desmatadores se a gente fez a lei de crimes ambientais?", questionou. Minc explicou que o presidente se referiu às pessoas que foram incentivadas por governos passados a desmatar a floresta. "O Lula falou o seguinte: no passado vocês foram instados a virem aqui. O governo incentivou vocês a virem aqui. Só ganhava dinheiro quem mostrasse que era produtivo e tinha que meter a motosserra."

ALBERTO KOMATSU, Agencia Estado

20 de junho de 2009 | 18h57

Mencionado as vaias que recebeu no evento em Mato Grosso, o ministro justificou: "Eu fui vaiado por gente de quem eu fechei serraria". De acordo com Minc, que estava no mesmo palanque onde o presidente fez o discurso, em Alta Floresta (MT), o País entrou num novo patamar de combate ao desmatamento, com políticas de incentivo à sustentabilidade e programas de regularização de terras rurais na região conhecida como Amazônia Legal.

Como exemplo de alternativas que o governo está buscando para minimizar o desmatamento na Amazônia, Minc defendeu a Medida Provisória 458, que prevê a regularização de terras públicas na Amazônia, por meio de venda sem licitação, medida que já foi criticada por Organizações Não Governamentais (ONGs). "A regularização fundiária é uma base de combate ao desmatamento e à violência", disse Minc, que participou hoje da cerimônia de cessão do Parque Lage, na zona sul do Rio, do governo federal para o estadual.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.