Lula pedirá manutenção de emprego em debate com empresários

O Palácio do Planalto convidou grandes empresários para um debate com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e os principais ministros sobre os efeitos no Brasil da crise financeira mundial. No encontro marcado para quinta-feira, Lula deve reiterar o apelo para que os executivos evitem demissões de trabalhadores apesar da adversidade. "Eu tenho feito esse apelo lá em São Paulo porque quando ocorre um problema de retração tem que haver ajustes nas empresas. Queremos solicitar e alertar que esses ajustes não podem começar pela dispensa de um pai de família. É preciso que as empresas façam todo o possível para, (apenas) em último extremo, dispensar pessoas", disse a jornalistas nesta quarta-feira o vice-presidente José Alencar ao ser questionado sobre a reunião. Na semana passada, a Vale anunciou a demissão de 1,3 mil funcionários e férias coletivas a 5,5 mil funcionários. As montadoras de veículos também deram licença a empregados e iniciaram demissões. "O Estado tem que trabalhar ao lado das classes produtoras. No momento em que há uma ameaça de crise, temos que nos unir", aconselhou Alencar. O encontro no Planalto terá a presença 20 empresários, que foram chamados, a pedido de Lula, pelos ministros Guido Mantega (Fazenda) e Miguel Jorge (Desenvolvimento). Evitando indicar os nomes, Jorge disse nesta tarde que vão comparecer representantes dos setores de varejo, mineração, indústria automobilística, alimentação e bancos, além outras áreas industriais. Ele afirmou que vai pedir para que as empresas mantenham os investimentos. O governo também quer ouvir a avaliação dos executivos sobre as medidas para amenizar a crise já tomadas, que incluem tentativa de aumento de recursos para financiar empresas e consumo. Na sexta-feira passada, Mantega e Alencar estiveram reunidos com empresários em São Paulo --dos setores agrícola, do comércio e da indústria--, quando receberam demandas que estão sendo analisadas pelo ministro da Fazenda, segundo Alencar. A falta de liquidez permanece a principal preocupação dos empresários. Segundo interlocutores do Planalto, é possível que o presidente Lula faça o anúncio de novas providências na reunião. Questionado se poderia vir um corte nos impostos, Alencar lembrou do equilíbrio das contas públicas. "Precisamos cuidar do equilíbrio orçamentário. Sempre que houver condições devemos reduzir a carga tributária, mas sempre levando em conta que o Orçamento deve ser equilibrado."

REUTERS

10 Dezembro 2008 | 19h42

Mais conteúdo sobre:
POLITICA EMPRESARIOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.