Lula prevê situação confortável para economia brasileira em 2010

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva previu para o último ano de seus dois mandatos uma situação econômica confortável, mas não quis arriscar um índice de crescimento. Citou, no entanto, previsões de analistas que variam entre 5 e 6 por cento de avanço da economia em 2010.

REUTERS

28 Dezembro 2009 | 09h34

"Eu penso que nós vamos entrar em 2010 numa situação confortável," afirmou Lula no programa de rádio Café com o Presidente, veiculado todas as segundas-feiras.

Além de fatores internos como investimentos em programas como o PAC e o Minha Casa, Minha Vida, a previsão se deve ao bom desempenho esperado para a economia mundial no ano que vem, que vai possibilitar que haja um crescimento das exportações brasileiras, segundo o presidente.

"Eu acho que a economia do mundo começa a se recuperar, mesmo que lentamente, e isso vai possibilitar que haja um crescimento das exportações brasileiras... Eu penso que isso vai fazer que 2010 seja um ano altamente positivo para o Brasil. Tem gente que fala que a economia vai crescer 6 por cento, tem gente, que vai crescer 5 por cento, tem gente que fala que vai crescer 5,5 por cento, eu não quero dizer nenhum número," afirmou.

Mesmo sem arriscar estimativas de crescimento, Lula garantiu que ela irá aumentar o suficiente para gerar empregos, aumentar os salários, melhorar a vida da população e para que os "empresários ganhem mais dinheiro" no sentido de que a "roda gigante da economia" continue girando.

O mais recente relatório Focus, divulgado pelo Banco Central, projetou uma queda do Produto Interno Bruto (PIB) em 2009 de 0,22 por cento. O prognóstico para 2010 aponta crescimento de 5,08 por cento.

Ele voltou a afirmar que o impacto da crise financeira global em 2009 foi menos intenso no Brasil do que nos países desenvolvidos. "A crise chegou por último aqui e terminou primeiro," disse, diagnosticando 2009, do ponto de vista econômico, como "mais do que bom."

"Nós estamos trabalhando com a certeza absoluta que 2009 foi um ano em que o Brasil mostrou competência, mostrou firmeza, ousadia e mostrou que a gente tem uma preparação macroeconômica vigorosa e que portanto nós preparamos o Brasil bem para 2010," disse.

Lula admitiu que o Brasil teve um "problema" no último trimestre de 2008 por conta da crise financeira global "muito mais por pânico, muito mais por medo, houve uma brecada muito forte na economia, desnecessária na minha opinião," em nova crítica à postura dos empresários naquele momento.

Se dizendo mais otimista que qualquer brasileiro, o presidente Lula disse que "o Brasil não vai parar mais, o Brasil daqui pra frente vai continuar crescendo, porque nós queremos nos próximos anos nos transformar quem sabe na sexta, na quinta, na quarta economia do mundo."

Mais conteúdo sobre:
POLITICA LULA ECONOMIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.