Lula quer redução de gases com base em 'dados confiáveis'

Presidente tentou conseguir adesões à proposta apresentando dados da Embrapa sobre emissões dos EUA

Denise Chrispim Marin, enviada especial, Agencia Estado

09 Julho 2008 | 12h28

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu nesta quarta-feira, 9, em Hokkaido, no Japão, que na reunião de cúpula do G-8 do ano que vem, na Itália, os líderes dos sete países mais ricos do mundo e a Rússia negociem com as economias em desenvolvimento a adoção de metas de redução das emissões de gases do efeito estufa com base em "dados numéricos confiáveis". No encontro desta quarta entre o G-8 e o G-5 - grupo formado por África do Sul, Brasil, China, Índia e México -, Lula tentou convencer seus parceiros a aderir à proposta ao apresentar dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) que mostram os Estados Unidos na liderança das emissões de gás carbônico (CO2) em 2005, com 21,13% do total despejado na atmosfera.       Veja também:  Sem impor metas, G8 e G5 discutem cortes de emissões  Países ricos têm 'dívida a pagar' por emissões, diz Lula Quando Lula expôs seus números, a posição do G-8 já havia sido expressa em documento emitido no dia anterior. Em um passo extremamente tímido, o texto do G-8 apenas "recomenda" que, na convenção das Nações Unidas que substituirá o Protocolo de Kyoto, seja definida a meta de redução de pelo menos 50% das emissões globais até 2050. A negociação dessa convenção deverá ser concluída até o final de 2009, e os seus termos começarão a ser acatados a partir de 2012.O máximo que Lula pôde colher foi a curiosidade dos presidentes dos EUA, George W. Bush, e da França, Nicolas Sarkozy, de saber as posições do ranking. Realizado com base em monitoramento por satélite, o levantamento da Embrapa apontou que, em 2005, o mundo todo emitiu 28,2 bilhões de toneladas de CO2. A China, no segundo lugar no ranking, foi responsável por 18,9% das emissões. A Rússia veio em seguida, com 6,0%, e o Brasil ficou em 18º lugar, com 1,28% - porcentual equivalente a 360,6 milhões de toneladas. China e ÍndiaEntretanto, os dados expostos por Lula igualmente provaram que o somatório das emissões da China e da Índia alcançou 6,5 bilhões de toneladas em 2005 - volume superior ao dos Estados Unidos, de 5,9 bilhões de toneladas. China e Índia, juntas, emitiram 23,0% do total, segundo o levantamento da Embrapa.A rigor, os números reforçam os argumentos de Washington de que possíveis metas sejam adotadas também pela China e pela Índia, os grandes emissores do mundo em desenvolvimento. Para Lula, em vez de cortes das emissões de CO2, esses países merecem apoio para a modernização de seus modelos de expansão econômica. "Ainda não se sabe ao certo a responsabilidade de cada país na redução do porcentual de redução da emissão de gás carbônico. Por isso, temos de tomar decisões com base em números confiáveis", afirmou Lula.

Mais conteúdo sobre:
Cúpula do G-8meio ambienteLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.