Lula reclama de excesso de violência na televisão

No culto de comemoração pelos 150 anos da Igreja Presbiteriana no Brasil, no centro do Rio de Janeiro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva reclamou das TVs abertas e fechadas pelo excesso de violência na programação. O presidente disse que, se houvesse uma aferição de "quantos filmes falam de integração familiar, de amor, de paz, a gente ia perceber que o percentual é infinitamente menor do que a quantidade de filmes que começam atirando, terminam atirando e no meio matam pessoas que a gente nem consegue entender por quê".

LUCIANA NUNES LEAL E ALBERTO KOMATSU, Agencia Estado

12 Agosto 2009 | 18h09

Lula afirmou que "muito mais graves que os problemas econômicos, sociais, existe um problema crônico que é a degradação da estrutura familiar deste País". "Quantos momentos de bons ensinamentos temos na televisão, a nacional e a importada?", questionou o presidente. Lula disse que está na Presidência da República "por obra de Deus" e que nenhum livro de ciência política do passado poderia prever a união "de um grande empresário e um operário" para chegar ao poder, citando o vice-presidente, José Alencar.

Mais conteúdo sobre:
violênciaTVLulaRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.