Lula vai à Bolívia anunciar investimentos de US$ 750 mi no gás

Brasil não investia no país desde a nacionalização dos hidrocarbonetos, em 2006.

Denize Bacoccina, BBC

16 de dezembro de 2007 | 19h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chega neste domingo a La Paz para anunciar a retomada dos investimentos da Petrobras na Bolívia. A empresa brasileira vai investir US$ 750 milhões nos próximos anos na ampliação da capacidade de produção de gás no país, exportado para o Brasil e a Argentina.Este será o primeiro investimento no país desde a nacionalização do setor de hidrocarbonetos, decretada em maio do ano passado pelo presidente Evo Morales e efetivada em outubro com a assinatura de novos contratos que colocam as petroleiras estrangeiras como prestadoras de serviço da YPFB, a estatal boliviana, e reduzem a margem de lucro das empresas.O investimento da Petrobras será direcionado para o aumento da produção nos campos de San Alberto, San Antonio e Ingre. Atualmente, a Bolívia produz 39 milhões de metros cúbicos/dia, mas precisa de capital externo para ampliar esta produção e cumprir os contratos de fornecimento que ultrapassam este montante.O Brasil, apesar da descoberta de uma grande reserva de gás na Bacia de Santos, precisa importar gás nos próximos anos até que a produção brasileira seja iniciada.Os dois presidentes também devem efetivar um acordo fechado na visita de Morales a Brasília, no início do ano, quando ficou acertado que a Petrobras pagaria preços de mercado pelos gases nobres que recebe junto com o gás combustível.Com isso, a Petrobras deve pagar mais US$ 180 milhões por ano ao governo boliviano pelo gás que já compra do país. O primeiro compromisso de Lula em La Paz é um encontro, já na noite de domingo, com Morales e a presidente chilena, Michele Bachelet, para acertar a construção do corredor interoceânico que vai ligar o Brasil ao litoral chileno através da Bolívia e deve estar pronto na primeira metade de 2009.O acordo entre Bolívia e Chile é considerado histórico pela diplomacia brasileira, já que os dois países não têm relações diplomáticas desde os anos 70 e atualmente mantêm apenas relações consulares.A nova rodovia terá 2.550 quilômetros de estrada no Brasil e outros 3.350 quilômetros na Bolívia e no Chile. O corredor ligará o Porto de Santos aos portos chilenos de Arica e Iquique, passando por Corumbá e Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia. A idéia é facilitar o escoamento de produtos brasileiros que podem ser exportados pelo Oceano Pacífico e dar à Bolívia uma ligação para o mar. Os trechos brasileiro e chileno já têm estradas em boas condições, mas é preciso fazer ou melhorar o trecho boliviano. O modelo de financiamento ainda não está definido, mas o governo brasileiro não descarta que o projeto seja financiado pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).A agenda de Lula em La Paz inclui ainda o anúncio oficial do financiamento de 300 tratores Agrale, no valor de US$ 350 milhões, com financiamento com juros de 2% ao ano e carência de cinco anos para pagamento.Os dois presidentes devem discutir ainda uma usina hidrelétrica binacional no Rio Mamoré, mas ainda não está certo se a construção será anunciada durante a visita.Outro assunto na agenda dos dois presidentes é o acordo migratório para regularizar a situação de brasileiros na Bolívia e de bolivianos no Brasil.O prazo para regularização foi estendido até setembro de 2008 e um fundo para ajudar na regularização dos brasileiros, de US$ 10 milhões, foi aprovado pelo Congresso brasileiro na semana passada.Cerca de 250 famílias de brasileiros vivem no norte da Bolívia, numa área próxima da fronteira com os Estados do Acre e Rondônia. O número de bolivianos no Brasil é bem maior. Somente em São Paulo, o Itamaraty estima que sejam 70 mil.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.