Mãe de Eduardo Campos faz queixa por notícia 'apócrifa'

A deputada federal Ana Arraes (PSB), mãe do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), protocolou hoje queixa crime na Secretaria Estadual de Defesa Social contra um site que divulgou, no fim de semana, notícia "apócrifa, inverídica e caluniosa", afirmando que o compositor Chico Buarque havia assumido a paternidade do governador.

ANGELA LACERDA, Agência Estado

20 Junho 2011 | 20h43

Publicada no site "Diário Pernambucano", que diz ser "um site de notícias fake (falsas)", a notícia foi replicada nas redes sociais Facebook e Twitter, espalhando-se rapidamente e provocando reações. Muita gente acreditou no boato - antigo em Pernambuco.

A deputada também pediu ao Google a retirada de páginas contendo a notícia inverídica - no que foi atendida - e divulgou, através do Facebook, uma nota de repúdio. "O governador Eduardo Campos é meu filho e do escritor Maximiano Campos, já falecido e de saudosa e respeitável memória", afirma ela, na nota. "Trata-se de matéria inverídica e criminosa, sobre a qual já tomei as providências legais, no sentido de fazer cessar e punir policial e judicialmente tal aberração".

Ela afirma, na nota, só ter conhecido o compositor carioca na casa do seu pai, o ex-governador Miguel Arraes, em 1986, durante campanha dele ao governo, quando Eduardo tinha 21 anos. Reitera se tratarem de "alegações criminosas, que já estamos tomando as providências legais cabíveis" e pede para quem leu a matéria que circulou na internet que a tenha como "apócrifa, inverídica e criminosa, que agride a dignidade da família pernambucana".

No site Diário Pernambucano, a notícia inverídica foi substituída por uma retratação que inclui a decisão de "excluir notícias que forjam a fala inexistente de pessoas de imagem pública". "Como no caso mais recente se trata de um ícone da política e não de uma figura pública costumeiramente posta em caricaturas (como no caso de jogadores de futebol ou figuras em evidência nas redes sociais), nos retratamos com humildade e reconhecimento da desmedida cometida por nós." Por fim, convoca "o direito ao perdão, agradecendo a compreensão e a paciência de quem se sentiu ofendido conosco".

Escândalo

Intitulada "Escândalo no mundo da música e da política", a notícia falsa era assinada por "Jarbinhas D''Adelaide". O nome fictício une o nome do principal opositor de Eduardo Campos em Pernambuco, o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), e o heterônimo utilizado por Chico - Julinho da Adelaide - na década de 1970, época da ditadura, para driblar a censura às suas músicas.

A notícia dizia que Chico havia assumido a paternidade de Campos em uma entrevista exclusiva, na qual contava ter conhecido Ana em 1964, no Recife, durante uma extensa turnê no Nordeste, e com ela teria mantido um "relacionamento intenso, rápido e oculto".

Meses depois teria recebido uma carta dela falando da gravidez, mas ele, "cretinamente", ignorou. Há alguns anos, tomado do desejo de saber quem era o filho, teria ficado impactado com a "surpreendente descoberta: ele é o governador de Pernambuco". Depois de vários detalhes, encerra afirmando que o governador Eduardo Campos, que havia acabado de saber sobre a paternidade, reagiu bem-humorado imaginando que a partir de agora Chico Buarque poderia fazer mais shows no Recife e com "preços mais acessíveis".

A brincadeira poderá custar caro. A Polícia Civil identificou que o site é da cidade sertaneja de Taquaritinga do Norte. Três pessoas foram intimadas a depor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.