Mãe de Joaquim disse que foi agredida grávida

A Polícia Civil começou a traçar um perfil psicológico do casal Guilherme Longo e Natália Ponte. "Queremos formar um perfil da relação dele com a família", afirmou o delegado Paulo de Castro. "Ela diz que ele era agressivo, que chegou a agredi-la, mas que o caso não foi relatado pela família", afirmou o promotor Marcus Tulio Nicolini. Natália contou que eles teriam se separado em janeiro temporariamente, após agressão, durante o período em que ela estava grávida do filho deles. Os dois têm um bebê de 4 meses. Natália disse também que o padrasto tinha ciúmes de Joaquim e frequentemente colocava a criança de castigo.

RICARDO BRANDT, ENVIADO ESPECIAL, Agência Estado

12 de novembro de 2013 | 20h49

Tudo o que sabemos sobre:
Caso Joaquimdelegadomãe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.