Magnata da hotelaria quer estação espacial inflável

O sonho de um magnata da hotelaria, de construir uma estação espacial inflável para hóspedes, dará mais um passo rumo à realidade - por bem ou por mal - com o lançamento de um satélite projetado para testar a tecnologia. A missão estudará a viabilidade do projeto encampado por Robert Bigelow, de criar um complexo espacial comercialmente viável até 2015. Quando estiver pronta, a base será formada por módulos semelhantes a balões, unidos como se fossem salsichas num cordão e que funcionarão como hotel, laboratório e escola.O lançamento da nave de testes do projeto, a Gênesis I, criada pela empresa Bigelow Aerospace, será feito por um foguete russo e marcará o início da tentativa de entrada de uma nova empresa no altamente restrito mercado dos vôos espaciais tripulados.Bigelow, que fez fortuna com a rede de hotéis "Budget Suites of America" (Suítes Baratas dos EUA), com base em Las Vegas, não divulgou a data exata do lançamento do protótipo. Mas a agência espacial russa Roskosmos publicou em seu website que o lançamento do Gênesis I está previsto para esta quarta-feira, a bordo de um míssil balístico convertido em foguete espacial, de uma base no sul dos Montes Urais. O Gênesis I é um modelo com 30% do tamanho da estação espacial comercial que a empresa de Bigelow pretende criar. Ela terá 13 câmeras que farão fotos e vídeo da Terra.Diferente dos módulos rígidos que compõem a Estação Espacial Internacional (ISS), o design inflável consiste de uma camada externa flexível, que pode ser expandida no espaço. O módulo é acolchoado com camadas de material resistente, incluindo kevlar, usado em coletes a prova de balas, para resistir ao impacto de partículas cósmicas.A tecnologia inflável já havia sido pesquisada pela Nasa, que a considerou cara demais. A Bigelow essencialmente pegou de onde a agência espacial americana parou.Uma vez em órbita, Gênesis I inflará e passará a circular a Terra, enquanto cientistas avaliam sua durabilidade e outras propriedades.

Agencia Estado,

11 de julho de 2006 | 18h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.