Maia ataca Ministério da Saúde por epidemia de dengue

O prefeito do Rio de Janeiro, César Maia, voltou a atacar o Ministério da Saúde por causa da epidemia de dengue na capital fluminense. Participando hoje em Salvador dos festejos do primeiro aniversário do seu partido, o DEM, ele não poupou críticas à pasta comandada pelo ministro José Gomes Temporão. "A dengue não é um problema do Rio, mas de todo o País", afirma. "O que ocorre no Rio é derivado do que aconteceu no ano passado, em especial no Maranhão e no Piauí, onde surgiram surtos da dengue do tipo 2 e o Ministério da Saúde não nos comunicou o fato", argumentou Maia. "Houve omissão do ministério, porque se soubéssemos desses casos em dezembro ou janeiro, teríamos tomado as medidas necessárias em tempo. Hoje, por exemplo, posso garantir que se chegar alguma criança com dengue em estado inicial a um posto de saúde do Rio, ela vai sobreviver, porque já tomamos as medidas para que isso ocorra", afirmou.Maia, porém, não se limitou a falar sobre a crise da saúde no Rio. Desdenhou do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e garantiu que o DEM vai ter candidato próprio à Presidência, em 2010. Sobre o comentário feito ontem por Lula de que ele faria seu sucessor, Maia disparou: "Se ele tivesse um candidato forte, não falaria alto assim", referindo-se à expressão usada pelo presidente, de que a oposição deveria "tirar o cavalinho da chuva". "Ele anuncia o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) para lá e para cá, mas as obras não começam", justificou.Quando o assunto foram as próximas eleições, o prefeito carioca também frisou a posição do partido. "Vamos ter candidato próprio em todas as principais cidades brasileiras este ano, em todos os Estados e para presidente em 2010", garantiu.

TIAGO DÉCIMO, Agencia Estado

27 de março de 2008 | 20h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.