Maior vazamento de óleo da história dos EUA pode durar até agosto

BP anunciou ontem fracasso de mais uma tentativa de conter a mancha de petróleo que se espalha pelo Golfo do México; responsável pela área na administração Obama admite que derramamento pode continuar por meses e que país se prepara para o pior

Gustavo Chacra, O Estado de S.Paulo

31 de maio de 2010 | 00h00

Catástrofe. Navios coletam óleo que emerge para superfície do Golfo do México; substância se concentra no fundo do mar

  CORRESPONDENTE/NOVA YORK

A operação denominada "top kill" para conter o vazamento de petróleo no Golfo do México fracassou e autoridades americanas já admitem que o óleo continuará fluindo do fundo do oceano pelo menos até agosto. O governo acrescenta estar "preparado para o pior" no que já é considerado o maior desastre ecológico da história dos Estados Unidos.

 

Veja também:

link Obama chama vazamento de 'agressão' e promete ajuda a moradores

link Nova mancha de óleo ameaça ecologia marinha na costa da Flórida

link Esforços para conter óleo viram reality show

link Obama suspende exploração de petróleo nos EUA

mais imagens Golfo do México: natureza ameaçada

A crise atinge diretamente o presidente dos EUA, Barack Obama, que vem sendo acusado de lentidão e mau gerenciamento do processo para eliminar o vazamento. Um parlamentar da oposição já classificou como crime o incidente e a popularidade do líder dos EUA começou a cair.

No início, apenas republicanos comparavam o vazamento ao Katrina. Ontem, até articulistas do New York Times, próximo do Partido Democrata, diziam que o episódio será para Obama o equivalente do que foi para seu antecessor, George W. Bush, o furacão que arrasou New Orleans em 2005. Comunidades na costa de Estados pobres, como Lousiana, foram afetadas.

Uma medida de curto e outra de longo prazo começaram a ser implementadas ontem pela British Petroleum (BP), responsável pelo poço, depois de o procedimento de injetar lama no vazamento ter fracassado. A ação imediata visa a colocar uma capa de contenção sobre o vazamento e, através de mangueiras gigantes, levar o petróleo para superfície, onde seria recolhido.

Esta iniciativa traz dois problemas. Primeiro, a BP já tentou utilizar a capa logo após a explosão da plataforma que causou o vazamento e provocou a morte de 11 pessoas em 20 de abril. Segundo a empresa, desta vez pode ser diferente, pois eles teriam corrigido alguns erros que provocaram o fracasso na primeira tentativa.

De acordo com Robert Dudley, diretor executivo da BP, mesmo que a capa de contenção funcione desta vez, continuará vazando petróleo até agosto, quando será implementada uma medida de longo prazo. A empresa petrolífera está cavando dois poços de assistência ao lado do vazamento, com o objetivo de reduzir a pressão. Essa operação é considerada a única que seria capaz de eliminar o vazamento.

"O pior é que teremos petróleo vazando até agosto, quando os poços de ajuda terão sido cavados. E nós estamos preparados para o pior", disse Carol Browner, assessora de Obama para energia e meio ambiente. Ela advertiu que a capa de contenção, se fracassar, poderá elevar em 20% a quantidade de óleo despejada por dia na próxima semana.

"Este é provavelmente o maior desastre ambiental já enfrentado por este país", acrescentou Browner em entrevista para rede de TV NBC ontem, horas depois do anúncio do fracasso do "top kill". O governo americano, temendo resultados ainda mais negativos, ordenou que a BP suspendesse a operação. Os três dias de injeção de lama e componentes sólidos, como bolas de golfe, foram insuficientes para frear o vazamento.

Entre 12 mil e 19 mil barris de petróleo vazam por dia do poço a quase 1,5 km de profundidade, no Golfo do México. Enquanto não há saída definitiva, Estados da costa têm tentado evitar consequências ainda piores, construindo barreiras de areia próximo do litoral e queimando petróleo na superfície.

Consequências

US$ 75 milhões é o valor que a BP pagará de indenização aos Estados Unidos

US$ 760 milhões devem ser usados para conter o vazamento, segundo a BP

11 pessoas morreram na plataforma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.