Mais de 30 são presos em ato a favor de gays na Rússia

A polícia de Moscou prendeu mais de 30 pessoas que tentavam realizar duas manifestações não autorizadas pelos direitos dos gays neste sábado. Opositores aos homossexuais entraram em confronto com os manifestantes e a polícia. O porta-voz da polícia, Maxim Kolosvetov, informou a agências de notícias russas que 18 ativistas e 14 opositores foram presos.

AE/AP, Agência Estado

28 de maio de 2011 | 12h26

As autoridades de Moscou frequentemente proíbem demonstrações a favor dos direitos dos gays. Embora a homossexualidade tenha sido descriminalizada na Rússia pós-soviética, o sentimento de aversão aos gays ainda é grande no país e as autoridades justificam as proibições com o argumento de que tentam evitar confrontos.

A proibição "é particularmente chocante porque durante a Segunda Guerra Mundial os moscovitas ficaram contra os nazistas que queriam exterminar judeus, homossexuais e comunistas, mas agora o prefeito de Moscou está colaborando com os neonazistas", comentou um ativista britânico pelos direitos dos gays, Peter Tatchell, que participou de várias tentativas de manifestação em Moscou. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Rússiagayshomossexuaismanifestação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.