Mais de 60 mil residências continuam sem luz em Santa Catarina

Blumenau é uma das cidades mais atingidas; Vale do Itajaí continua com falta de energia elétrica

Fabiana Marchezi, do estadao.com.br,

27 Novembro 2008 | 13h26

Cerca de 64 mil imóveis permaneciam sem luz às 15h30 desta quinta-feira, 27, segundo boletim da Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc). A empresa recuperou cerca de 15% do sistema elétrico de Alta Tensão atingido pelas enchentes e deslizamentos. Em muitos imóveis o sistema de Baixa Tensão está comprometido em conseqüência de danos às instalações residenciais e nos medidores.   Veja também: Santos organiza doações; saiba como ajudar Empresária pára fábrica e dá gerador a hospital Tragédia em Santa Catarina  Blog: envie seu relato sobre as chuvas  Veja galeria de fotos dos estragos em SC   Todas as notícias sobre as vítimas das chuvas     Na região de Blumenau, houve recuperação de mais 12% do sistema de alta tensão, mas 55 mil imóveis ainda estão sem energia,a grande maioria no bairro de Progresso. A rede elétrica com maior volume de danos está em Blumenau, Brusque, Gaspar e Luis Alves.   Na região de Itajaí, os municípios com mais danos na rede são Itajaí, Camboriú e Ilhota. Nessa região, 7.500 imóveis continuam sem eletricidade;   Na região de São Bento do Sul, manobras técnicas permitiram o restabelecimento da energia em Rio Negrinho. Ali, em virtude de vegetação na rede, houve desabastecimento na área de Volta Grande. A empresa relembra que a média estadual é de 2,7 habitantes por imóvel.   Alerta   A Celesc alerta que os moradores das áreas atingidas evitem riscos. Para tanto, as pessoas devem manter distância segura de fiações elétricas danificadas, deixar desligados os equipamentos elétricos que estejam sob as águas e, se houver infiltração de água nas instalações, desligar todos os disjuntores. A queda de postes e/ou cabos da rede elétrica deve ser avisada imediatamente à empresa ou o órgão competente mais acessível, como Defesa Civil e Bombeiros.   Atualizada às 16h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.