Mais de 70 pessoas são presas em rinha de pássaros

Ação realizada pelo Ibama e pela Polícia, em Recife, libertou 265 aves da fauna silvestre

Angela Lacerda e Solange Spigliatti, da Agência Estado,

18 Março 2012 | 18h51

Setenta e cinco pessoas detidas e multadas e 265 aves da fauna silvestre liberadas: este foi o resultado da ação realizada neste domingo, no bairro da Madalena, no Recife, por fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) e Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Todos assistiam à briga de canários da terra em um local de apostas conhecido como Canário Clube. Entre os detidos, um foi preso por portar documento falso, fazendo-se passar por policial ferroviário federal. Todos foram multados em valores que variaram de R$ 500,00 a R$ 1,5 mil (por manter em cativeiro animais da fauna silvestre sem autorização ou por maus tratos) e vão responder em liberdade.

O clube, segundo o assessor de comunicação da PRF, Éder Rommel, foi criado em 1995 e não tinha autorização do Ibama para funcionamento. "Ele funcionava como fachada para a rinha", explica o inspetor.

No local, os frequentadores pagavam para assistir a briga entre as aves e os ingressos variavam entre R$ 5,00 para sócios e R$ 10,00 para visitantes, segundo a PRF. "Muitos levavam seus pássaros canários da terra para brigar com outros e as apostas giravam em torno de R$ 1.500,00", segundo Rommel. A operação teve início em novembro do ano passado, quando o Ibama recebeu denúncias sobre a rinha praticada no local.

Os 262 canários da terra, dois galos de campina e um papa-capim foram levados para o seu habitat natural - as matas da região agreste, entre os municípios de Vitória e Caruaru.

Mais conteúdo sobre:
prisãorinhapássaroRecife

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.