Mais duas pessoas morrem após protestos no Iêmen

Vinte e uma pessoas já morreram desde o início dos protestos, em 17 de fevereiro, contra o presidente Ali Abdullah Saleh, há 32 anos no poder

Reuters

26 de fevereiro de 2011 | 10h57

ÁDEN, IÊMEN - Mais duas pessoas morreram durante a noite depois de serem baleadas em protestos antigoverno na cidade iemenita de Áden, no sul do país, disse um médico no sábado.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

O fato eleva para quatro o número de mortos em confrontos com forças de segurança em Áden na sexta-feira. Dezenas de pessoas ficaram feridas.

Vinte e uma pessoas já morreram desde o início dos protestos, em 17 de fevereiro, contra o presidente Ali Abdullah Saleh, há 32 anos no poder.

Manifestantes leais e contrários ao líder de 68 anos realizaram atos na capital Sanaa após as orações de sexta-feira.

Repetindo slogans que ecoaram pelo mundo árabe depois das revoltas no Egito e na Tunísia, os manifestantes do lado de fora da Universidade de Sanaa, na capital, cantavam: "O povo exige a queda do regime".

Do outro lado da cidade, os partidários do governo gritavam seu apoio ao líder que, segundo eles, mantém unido um país tribal pobre e fragmentado.

(Reportagem de Mohammed Mokhashaf)

Tudo o que sabemos sobre:
IEMENDOIS MORTOSÁdenprotestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.