Mais equipes se preparam para entrar na Vila Cruzeiro

Depois da entrada do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) da Polícia Militar do Rio em blindados da Marinha, várias equipes de todas as delegacias especializadas do Rio se preparam para entrar na Vila Cruzeiro, na zona norte, um dos maiores refúgios de traficantes do Comando Vermelho, pela Avenida Nossa Senhora da Penha.

PEDRO DANTAS, GABRIELA MOREIRA E SOLANGE SPIGLIATTI, Agência Estado

25 de novembro de 2010 | 14h43

A entrada do Bope na favela resultou em tiros, explosões e focos de incêndio dentro da favela. O tiroteio é ininterrupto. Pelo menos quatro pessoas baleadas foram levadas até o início da tarde de hoje para o Hospital Getúlio Vargas, na Penha. O mais grave foi o caso do motorista de ônibus Reginaldo Dias Peixoto, de 36 anos, atingido na cabeça. Ele foi submetido a cirurgia e não corre risco de morrer, informou o hospital. Além dele, um mototaxista, um servente de pedreiro e um policial militar também foram baleados. O policial levou um tiro de raspão no ombro.

Trens

A circulação dos trens no ramal Santa Cruz, no Rio, da concessionária Supervia, voltou ao normal às 14h10 de hoje.

A empresa havia alterado a circulação dos trens neste ramal, por volta das 12h50, para garantir a segurança dos passageiros nas proximidades de Tancredo Neves, na zona oeste da cidade, por causa da violência na região.

Tudo o que sabemos sobre:
violênciaRioBopeVila Cruzeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.