Mais espaço (e sabor) para os orgânicos em Curitiba

A capital paranaense tem ótimas opções para quem quer se alimentar de forma saudável

Por Katia Michelle, especial para o Estado,

22 Julho 2009 | 18h45

Poucas quadras separam dois dos restaurantes orgânicos mais conhecidos de Curitiba, o Green Life e o Chauá.  Ficam na Carlos de Carvalho, uma simpática alameda que está ganhando fama pelos cafés, bares, lojas de decoração  e bistrôs que abriga. O ponto de partida desse conjunto de lojinhas e restaurantes charmosos é o Green Life. Pioneiro na oferta de produtos orgânicos, o restaurante funciona no mesmo local  há 17 anos. Subindo a rua, em outra esquina da mesma rua - na região da capital paranaense que ganhou a polêmica denominação de Batel Soho (referência ao Soho de Nova York) - está o Chauá, inaugurado há dois anos. Em comum, além de oferecer produtos sem agrotóxico ou aditivos químicos, as duas casas superaram o desafio de transformar uma alimentação saudável e orgânica em comida saborosa. E ganham cada vez mais adeptos por isso. Veja também: Slow food e comidas orgânicas conversam - e Neide Rigo faz o intermédio Garimpeiros verdes Saborosos, fortes, bonitos Império foodie contra-ataca O guru da nova 'comida autêntica' Segredos da fazenda O mais orgânico de todos os chefs Mas nem sempre foi assim, salienta Rafael Konzen, um dos proprietários do Green Life. "Somente nos últimos cinco anos, os orgânicos têm conquistado mais espaço no mercado. É uma mudança de cultura", analisa. Para ele, o mercado da gastronomia vem superando o preconceito de que comida naturista e orgânica é comida insossa. "Pelo contrário, quando você se acostuma, percebe o verdadeiro sabor dos alimentos e não troca mais pelos convencionais. Eu não consigo comer outro tipo de verdura que não seja orgânica. Parece um isopor", defende. Além de oferecer um cardápio variado no buffet - diariamente são 15 tipos de salada, 12 pratos quentes, além das sobremesas -  o restaurante também oferece cursos de culinária ministrado pela chef  Iglair Konzen. São pratos como estrogonofe de glúten ou assados de legumes orgânicos, preparados com ingredientes que variam de acordo com a época. A lasanha de espinafre com molho branco, feito com a verdura fresquinha (e orgânica) que utiliza massa integral preparada com farinha orgânica é um dos carros chefes da casa. O cardápio parece agradar. Diariamente são servidas 300 refeições por dia, além das marmitas que podem ser levadas e dos produtos que são comercializados no local, a maioria com produção própria. São frutas, verduras e legumes, além de uma variedade de produtos de panificação, produzidos pela família Konzen numa área de três alqueires na Colônia Faria, em Colombo, Região Metropolitana de Curitiba. A família mudou-se para lá na década de 80, já com a proposta de cultivar hortaliças de uma maneira diferenciada, o que significa preocupação com o ambiente e ausência de agrotóxicos. "No começo era mais difícil. Vendíamos de porta em porta numa época em que a cultura dos orgânicos não era valorizada", conta Rafael Konzen, lembrando as dificuldades iniciais em competir com o mercado convencional. "É um produto mais difícil de produzir e, portanto, mais caro", admite. Hoje, além de produzir para o próprio restaurante, a  família ainda fornece verduras orgânicas para outras empresas. "Até a questão do preço é algo que está sendo superado. As pessoas estão mais preocupadas com a saúde e querem consumir ingredientes isentos de produtos químicos, mesmo que tenham que pagar mais por isso", analisa o proprietário do restaurante. Para o engenheiro Rogério Chimionatu, essa mudança cultural foi também um oportunidade de negócio. Há cinco anos, de olho na demanda do mercado, que registrava aumento crescente na procura por orgânicos, ele e o sócio Marcelo Suguimati decidiram abrir um restaurante voltado para esse tipo de alimentação. "Existia a demanda, mas não existia a oferta. Então abrimos o primeiro Chauá, no bairro Juvevê, focado apenas em alimentos orgânicos e oferecendo uma alimentação mais saudável", conta. O nome do restaurante é uma referência a um dos nomes que o Papagaio da Cara-Roxa, ave típica do litoral paranaense, é chamada. Há dois, os sócios ampliaram os negócios e abriram o segundo restaurante, na Alameda  Carlos de Carvalho. O Chauá também trabalha com buffet por quilo e oferece pelo menos 15 pratos de saladas e 15 pratos quentes por dia, mas também serve lanches, opções a la carte e vende produtos orgânicos comprados de produtores certificados. Um diferencial do restaurante é que ele está longe de ser considerado vegetariano. Também tem carnes, peixes e frango no cardápio cada vez mais diversificado. Vai um churrasquinho orgânico? Sim, você leu corretamente. Embora com pouco espaço no mercado, as carnes orgânicas são a estrela da vez. Podem custar até 40% mais caras do que as convencionais, mas ganha cada vez mais adeptos por aliar sabor e saúde. A carne bovina e caprina orgânica, assim como a de frango, é obtida com a criação de animais soltos, comendo ração vegetal ou pasto. Para se ter uma idéia da preocupação com os bichinhos, para serem abatidos, eles não podem ser transportados mais do que 100 quilômetros, pois podem emagrecer (o que significa perda de carne) e ficar estressados, o que também altera o sabor da carne. "Muita gente ainda se espanta com a carne orgânica, mas é um produto muito saboroso. É a carne com o sabor da carne, sem nenhum efeito externo", opina o  veterinário Luis Ary Radünz Gosch . Consumidor da carne orgânica desde criança, já que a família tinha fazenda e mantinha gados e caprinos, o veterinário decidiu montar um açougue especializado em carnes orgânicas. Abriu o Taurinos Organic no Mercado de Orgânicos de Curitiba, que inaugurou na cidade em fevereiro deste ano. O ambiente não podia ser mais propício para o negócio, ainda encarado como novidade para muita gente. "Noventa por cento dos clientes que entram no açougue não conhecem o processo de produção da carne orgânica. Por isso, treinamos todos os funcionários para que expliquem a origem da carne, os cortes e os benefícios do produto", diz. E o veterinário dá a dica para quem quer preparar um delicioso churrasco de contra filé orgânico. Três quilos de contra-filé (que no Taurinos Organic pode ser encontrado a R$ 18, 40 o quilo) e sal grosso. "Para realçar o sabor da carne, o tempero deve ser apenas sal e nada mais", ensina. A dica é substituir o carvão pela lenha de eucalipto. "Fogo alto para quem gosta da carne mal passada e fogo baixo para quem gosta mais ao ponto". Depois é só saborear. Sem culpa. Espaço reservado Inaugurado há cinco meses, o Mercado Municipal de Orgânicos de Curitiba é o primeiro mercado do gênero no país. Fica ao lado do Mercado Municipal, numa área com 3,7 mil metros quadrados. Reúne 22 lojas de produtos orgânicos que oferecem, juntas, mais de 1 mil produtos com selo de certificação que garantem que são livres de agrotóxico e aditivos químicos. Um espaço para atender tanto o consumidor, que pode encontrar num mesmo local uma variedade de produtos orgânicos, até o produtor, já que de acordo com o Instituto Paranaense de Assistência Técnica em Extensão Rural (Emater -PR), a produção de produtos orgânicos está crescendo cerca de  2.000% ao ano no estado. Mercado Municipal de Orgânicos. R. da Paz, S/N, ao lado do Mercado Municipal Restaurante Green Life. Alameda Dr. Carlos de Carvalho, 271, (41) 3223-8490 Restaurante Chauá. Alameda Dr. Carlos de Carvalho 1120, (41) 3015-3020

Mais conteúdo sobre:
Paladar org&acirc nicos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.