Mais leve e barato

Em março, a Mozilla apresentou seu sistema operacional para celular, batizado de Firefox OS, e deixou no ar a promessa de um competidor à altura para Android, do Google, e iOS, da Apple. Na época, foi anunciada também a parceria com o grupo espanhol Telefónica, que escolheu o Brasil para ser o primeiro país a receber um aparelho com o sistema, esperado para o primeiro trimestre de 2013.

O Estado de S.Paulo

13 Agosto 2012 | 03h09

O Link teve acesso a um desses celulares, que usam tecnologias abertas da web, como HTML5. Isso garante fácil interação entre sistema e aplicativos, menos trabalho para desenvolvedores e - o que importa para a maioria das pessoas - smartphones competentes e baratos.

"Decidimos apostar em uma solução aberta e vimos que a Mozilla também ia na mesma direção", diz Pablo Larrieux, diretor de Inovação da Telefônica/Vivo. Segundo o executivo, a Mozilla cuida dos aspectos técnicos, enquanto a operadora se beneficia do trabalho engajado da comunidade de desenvolvedores voluntários que se dedicam a aprimorar os produtos. O navegador Firefox é exemplo dessa interação.

"Essa comunidade conhece toda a estrutura do telefone, e a Mozilla dá a ferramenta para eles fazerem o que bem quiserem. Isso canaliza a capacidade criativa dessas pessoas, é fonte de pura inovação", diz Larrieux.

A empresa espanhola é a responsável por definir o fabricante (ou os fabricantes) dos modelos de dispositivos que vão usar o Firefox OS. Essa escolha é fundamental para o sucesso do novo sistema, que oferece funcionalidades dos smartphones atuais a um preço mais razoável.

"O que queremos é dar às pessoas que não têm smartphone a chance de ter um. Não queremos tomar espaço de Androids e iPhones", disse o engenheiro da Mozilla, Chris Heilmann, durante sua visita ao Brasil. "Há pessoas que demandam usos mais simples: mandar mensagens, checar e-mail e usar a web. Algumas pessoas vão querer usar o Android para isso, mas outra grande parte vai preferir o Firefox por ser mais barato." Por ter características de mercado assim é que o Brasil foi escolhido.

Para Heilmann, o Firefox OS é pode mudar o perfil passivo do usuário de celular. "Tablets e smartphones fechados tornaram as pessoas meros consumidores", diz.

Murilo Roncolato

murilo.roncolato@estadao.com

Sistema da Mozilla para celulares promete ser mais barato e consumir menos dados

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.