Mais municípios do AM entram em estado de calamidade

Três municípios do Amazonas entraram em situação de calamidade pública: Anamã, Barreirinha e Careiro. O governo do Estado irá retirar as famílias das localidades. Na capital, o rio Negro ultrapassou a marca registrada na quarta-feira e chegou nesta quinta-feira aos 29,80 metros. De acordo com o secretário de Defesa Civil do Estado, tenente-coronel Roberto Rocha, se estuda a retirada de pelo menos quatro mil famílias dos municípios em calamidades para partes mais altas da região onde moram.

RENATA MAGNENTI, Agência Estado

17 Maio 2012 | 16h49

"O estágio de calamidade comprova a precariedade sanitária dos municípios. Estas famílias serão alojadas em escolas e em barracas na própria cidade, em partes mais altas, ou em balsas", disse. Na última quarta-feira, o governador do Amazonas, Omar Aziz, informou que o fato de Manaus ter registrado a maior cheia dos últimos 110 anos não é para se comemorar. "Não batemos um recorde, batemos em um desastre. E farei possível para que as famílias afetadas pela cheia não venham passar pela mesma situação no próximo ano".

De acordo com a Defesa Civil, mais 75 mil famílias foram atingidas pela cheia. Se em Manaus mais de 140 comerciantes tiveram suas lojas invadidas pela subida dos rios, no interior, o volume de água acabou com a agricultura familiar e a pecuária. Segundo o Serviço Geológico do Brasil (CPRM), o rio Negro, na capital, deve continuar subindo nos próximos dias.

Mais conteúdo sobre:
ambiente cheia Manaus

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.