Malásia estuda clonagem para salvar tartarugas-de-couro

O Departamento de Pesca espera lançar um projeto de clonagem que poderá custar US$ 9,3 milhões

Associated Press

12 Julho 2007 | 13h50

A Malásia está analisando um plano para clonar tartarugas-de-couro, uma espécie ameaçada de extinção que, cientistas acreditam, já nadou ao lado dos dinossauros. Mas alguns biólogos dizem que o plano é impraticável e tem pouca chance de sucesso, já que nenhum réptil jamais foi clonado. O Departamento de Pesca espera lançar um projeto de clonagem da tartaruga que poderá custar o equivalente a US$ 9,3 milhões (R$ 20 milhões) ao longo de cinco anos, disse o diretor-geral da instituição, Junaidi Che Ayub. "O número de tartarugas-de-couro cai a cada dia", disse ele. "A despeito de algumas terem retornado ao nosso litoral para fazer ninho, os ovos não são férteis e não chocam". "A clonagem é só mais uma proposta", disse ele. "Temos de ser criativos e inovar, temos de pensar em muitas idéias". Junaidi disse que os clones poderiam gerar filhotes para aumentar a população. A Malásia já teve uma das maiores populações dessas tartarugas do mundo, que voltavam regularmente à costa para pôr ovos. A pesca predatória e a poluição reduziram gravemente o total de animais. Relatório da ONU de 2006 informa que as tartarugas-de-couro - que podem pesar até uma tonelada - estão virtualmente extintas da Malásia, com o número de ninhos caindo de 5.000 nos anos 60 para menos de 10 em tempos recentes.

Mais conteúdo sobre:
tartaruga-de-couro malásia clonagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.