Maláui quer testar toda população sexualmente ativa para Aids

Iniciativa é parte da política de saúde do país; estima-se que 14% sejam soropositivos.

BBC Brasil, BBC

16 Julho 2007 | 11h04

O governo do Maláui pediu nesta semana a todos os seus cidadãos sexualmente ativos que se submetam a um teste de HIV, o vírus causador da Aids, dizendo que isto ajudará a combater a pandemia. De acordo com o Ministério da Saúde, apenas cerca de 15% da população do país africano, estimada em 6 milhões de adultos sexualmente ativos, sabem sua situação em relação à doença. A população total do país é estimada em 12 milhões de habitantes e, de acordo com dados oficiais, cerca de 14% são soropositivos. O governo, contudo, não acha este um índice confiável. As autoridades dizem que querem uma estatística mais precisa e também levar o tratamento para onde ele é necessário. A campanha de uma semana se concentra particularmente nas comunidades rurais conservadoras, que costumam ser de difícil acesso para os serviços de saúde pública. Ninguém está prevendo que o país inteiro vai aparecer nos locais onde os testes serão oferecidos nos próximos sete dias, mas o Ministério da Saúde distribuiu cerca de 300 mil kits de testes pelo país para atender à demanda esperada, disse o correspondente da BBC em Johannesburgo, Peter Greste. O governo do Maláui identificou a pandemia de Aids como um de seus maiores desafios. O presidente do país, Bingu Wa Mutharika, disse que a doença é uma grande ameaça aos esforços de tirar a nação da pobreza e que estará satisfeito se um milhão de seus conterrâneos se submeterem ao teste e receberem tratamento anualmente. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
Aids HIV epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.