Malta diz que argumentos de defesa contra impeachment são condizentes com programa de humor

Senador do PR comparou advogado-geral da União a personagem da Escolinha do Professor Raimundo que 'enrolava' professor nas respostas em sala de aula

Luísa Martins, O Estado de S.Paulo

27 Abril 2016 | 15h52

Brasília - O senador Magno Malta (PR-ES) voltou a defender o afastamento da presidente Dilma Rousseff em seu pronunciamento na Comissão Especial do Impeachment, nesta quarta-feira, 27. Ele foi o último orador inscrito e brincou, em sua fala, que "os argumentos da defesa dão inveja a quem escreveu os textos da Escolinha do Professor Raimundo". O plenário estava vazio - apenas o senador Telmário Mota (PDT-RR), que o antecedeu, permanecia na sala. A mesa não riu da piada.

Mesmo assim, Malta seguiu a brincadeira e comparou o ministro da Advocacia-Geral da União, José Eduardo Cardozo, ao personagem Rolando Lero, que na Escolinha "enrolava" o professor, porque não sabia responder aos questionamentos em sala de aula. "Sei que ele tem que defender seu cliente, mas tenho a sensação de que, quando ele fala, o Chico Anysio vai entrar na sala a qualquer momento", disse. A mesa seguiu sem rir.

Essa parece ser uma graça habitual do repertório do senador. No ano passado, Malta usou a mesma referência em relação ao ministro Luiz Edson Fachin, na sabatina que o aprovou como novo membro do Supremo Tribunal Federal (STF). Votou contra, pois, em sua visão, "Fachin só respondeu com 'Rolando Lero' jurídico" sobre temas polêmicos, como aborto e homofobia.

No plenário da comissão do impeachment, o senador disse que os governistas "estão tentando embolar o jogo" ao utilizar as suspeitas sobre o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) como argumento para defender Dilma. "Cunha é problema da polícia", salientou.

Ele voltou a defender que as chamadas pedaladas fiscais são ilegais e acusou o governo federal de "estuprar" a lei de responsabilidade fiscal, para depois fazer um "striptease imoral" na economia do País. "Sou filho de faxineira, virei senador da República e acham que eu sou burro", disse ele, antes de criticar o colega Telmário Mota. "Os argumentos dele não são dele, são uma herança que o PT deu a ele, porque sei que ele tem um bom coração". O pedetista não reagiu.

Na avaliação de Malta, todos os senadores da comissão já estão com opinião formada. "Nada vai mudar o voto de ninguém. Tem gente que diz que está em dúvida, mas ninguém tem dúvida. Está todo mundo consciente de como vai votar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.