Mamberti toma posse na Funarte e promete mudanças

O novo presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), Sérgio Mamberti, tomou posse hoje no Rio de Janeiro e prometeu refundar a instituição, fazendo com que ela atenda a todo o País, por meio da criação de representações pelos Estados. Para isso, a sede administrativa será deslocada, já no início do ano que vem, para Brasília, para que fique perto do Ministério da Cultura. No entanto, Mamberti afirmou que dará expediente nas duas cidades.Ele também disse que o Projeto Pixinguinha será mudado novamente, de modo a se parecer mais com seu formato original. Antes, artistas viajavam por vários Estados apresentando sua música, agora, circulam apenas em seu próprio Estado. Sucessor de Celso Frateschi, extremamente criticado pelos servidores, Mamberti foi saudado como um popstar por um auditório lotado de funcionários, produtores culturais e artistas, como a amiga Fernanda Montenegro, sentada na primeira fila. Todos o aplaudiram de pé, e ele se emocionou. Mamberti é ator, diretor e produtor e participou da elaboração do projeto de governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele está no Ministério da Cultura desde 2003 e dirigia a Secretaria de Identidade e da Diversidade Cultural. O novo presidente fez questão de deixar claro que não conseguirá "garantir os resultados esperados" da "nova Funarte" com o orçamento atual, de R$ 58 milhões. Segundo o ministro da Cultura, Juca Ferreira, que deu posse a Mamberti, a meta é chegar a R$ 300 milhões. "Nós já conseguimos aprovar na Câmara de Educação do Senado uma emenda de R$ 500 milhões e outra de R$ 400 milhões na Comissão de Educação da Câmara", disse o ministro, que voltou a admitir que o Ministério da Cultura não foi tão bem-sucedido na área das artes nestes seis anos do governo Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.