Manejo de bezerras reduz perdas

Nesta fase, cuidados com sanidade e nutrição são essenciais para criador conseguir vacas sadias e produtivas na fazenda

Fernanda Yoneya, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2007 | 06h31

Dispensar cuidados especiais às bezerras é fundamental para o criador obter lucro com o rebanho, já que, bem nutridas e com a sanidade em dia, elas têm mais chances de se tornarem vacas produtivas. Entre os benefícios de um manejo adequado, o médico veterinário Emerson Marques Botelho destaca ''''novilhas sendo inseminadas antes dos 18 meses; o primeiro parto por volta dos dois anos; grandes picos de lactação; rebanho com produtividade alta e, conseqüentemente, maior retorno ao produtor.'''' Nesta fase - que normalmente vai até os 6 meses de idade; depois, vira novilha - a taxa de mortalidade pode chegar a 50% e tornar inviável a produção de leite. ''''A intenção é fazer a bezerra ser uma boa novilha e fazer com que essa novilha seja uma boa vaca, no menor tempo possível'''', diz Botelho. Um bom manejo deve considerar, sobretudo, dois aspectos, além da genética: sanidade e nutrição. Por esses critérios é possível acompanhar o desempenho de cada animal. INSTALAÇÕES Sobre as instalações das bezerras, a recomendação é manter os animais em abrigos individuais móveis, conhecidos como ''''casinhas''''. Como um iglu, a casinha tem cerca de 1,20 metro de altura, pode ser de bambu ou ter estrutura metálica e é móvel. ''''Se o local ficar úmido ou impróprio para a permanência da bezerra, um funcionário o desloca para área seca'''', explica o técnico em agropecuária José Augusto Salvati, da Embrapa Gado de Leite. ''''A casinha deve ser limpa, sem umidade e sem lama, para evitar o desenvolvimento de fungos e bactérias. Hoje não se adota mais bezerreiros coletivos, pois eles favorecem a contaminação rápida do rebanho em caso de surgimento de alguma enfermidade. O ideal é cada bezerra ter seu espaço'''', diz Salvati. O piso, geralmente de capim, pode ser braquiária, coast-cross, estrela africana, entre outras, sugere o técnico. Em relação à nutrição, Botelho chama atenção para a importância do colostro. Como a bezerra nasce sem o sistema imunológico bem desenvolvido, precisa consumir o colostro no primeiro dia de vida, pois ele é rico em imunoglobulinas, que são as proteínas que têm função de anticorpos contra agentes de doenças. ''''A vaca produz colostro por cerca de três dias, mas o mais importante é o produzido no primeiro dia, por concentrar a maior quantidade de imunoglobulinas.'''' Salvati aconselha ofertar o colostro duas vezes ao dia, pela manhã e à tarde. BANCO DE COLOSTRO Botelho explica que, normalmente, no primeiro dia uma vaca pode produzir até 15 litros de colostro. Mas como é pouco provável que a bezerra vá consumir todo esse volume de leite, a dica é congelá-lo e fazer um banco de colostro. ''''Para não jogar fora, ele pode ser congelado em freezer convencional e dado às bezerras nos próximos dias.'''' Ele diz que há no mercado o colostrômetro, equipamento que mede a qualidade do colostro. ''''Com ele, o criador tem certeza de estar guardando um produto de boa qualidade para os animais.'''' Quando termina o colostro, o produtor começa a fornecer leite limpo e ração concentrada. São 4 litros/dia, divididos entre a manhã e o período da tarde e ração à vontade. ''''Para desmamar as bezerras o quanto antes, aumenta-se gradativamente a quantidade de ração concentrada. Quando o animal estiver consumindo pelo menos 800 gramas de concentrado/dia pode suspender o leite'''', ensina o técnico da Embrapa. Quando o animal completar 70 dias, aproximadamente, termina a fase da casinha, de onde ele vai para o bezerreiro coletivo. ''''Uma bezerra mestiça nasce com cerca de 35 quilos e sai da casinha com o dobro de peso'''', calcula Salvati. No abrigo coletivo cada animal passa a receber 2 quilos de concentrado/dia e, para não haver concorrência, a dica é agrupar animais do mesmo tamanho no local. ''''Animais com 120 a 180 dias podem, então, receber silagem de milho, sobretudo na época de seca.'''' Dicas úteis Colostro - É o primeiro leite produzido pela vaca após o parto e é responsável por fornecer proteínas responsáveis pelo sistema imunológico da bezerra. Deve ser fornecido nas primeiras duas horas de vida e mantido até 3 dias no volume de 4 litros por dia. Umbigo - É uma das portas de entrada de doenças. A recomendação é tratar todos os animais com solução de iodo a 10% logo após o nascimento e durante três dias. Desmame - A ração deve ser deixada à disposição para que a bezerra aumente o consumo de forma gradativa até que atinja, pelo menos, de 500 a 800 gramas/dia. Quando o consumo atingir este volume, em média aos 70 dias de vida, é feito o desmame do animal. Ambiente - Precisa ser limpo e confortável. Ideal é cada animal ter sua ''''casinha'''', abrigo móvel individual com cocho para ração e água. Se houver excesso de umidade, lama ou resíduos de outros animais, a instalação deve ser desinfetada e deslocada para área seca. Vacinação - A maioria das vacinas é aplicada a partir do quarto mês de idade. Os rebanhos bovinos leiteiros são vacinados, principalmente, contra febre aftosa, raiva, brucelose e manqueira (ou carbúnculo sintomático). Cada Estado tem um calendário oficial. Carrapatos - A partir dos 3 ou 4 meses de idade, os animais já podem ser submetidos ao controle estratégico de carrapatos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.