Mangueira aposta em Brasis do Brasil para voltar ao topo

A Estação Primeira de Mangueira tem pela frente um dos maiores desafios de seus 81 anos de carnaval: superar o 10º lugar amargado em 2008, depois de acusações de envolvimento do então presidente da escola, Percival Pires, com traficantes de drogas. Para dar uma guinada, a presidente Eli Gonçalves, a "Chininha", trouxe da concorrência o carnavalesco Roberto Szaniecki, que promete: "Vocês vão ver uma outra Mangueira na avenida, diferente de todas as outras. Do mesmo, só o verde e rosa." Confiante em uma virada a favor da Mangueira este ano, o carnavalesco coloca o samba-enredo, "A Mangueira Traz os Brasis do Brasil Mostrando a Formação do Povo Brasileiro", como ponto forte da escola. "É um dos melhores da safra", diz. "Todo mundo tem o samba da Mangueira na ponta da língua, até o pessoal das outras escolas." A inspiração para o enredo vem do livro "O Povo Brasileiro", do antropólogo Darcy Ribeiro. "Para dar ao conteúdo do livro uma cara carnavalesca, subdividi o desfile em miniescolas", conta Szaniecki. "Cada uma tem uma linguagem." A escola da zona norte do Rio conquistou o título de campeã do Grupo Especial pela última vez em 2002. O carnavalesco, que conquistou o terceiro lugar para a Grande Rio ano passado, afirma que as dificuldades da verde-e-rosa ficaram no passado. O ano de 2009 marca o primeiro carnaval depois da morte do eterno intérprete mangueirense, Jamelão, aos 95 anos, em junho passado. Debilitado pela idade e por acidentes vasculares cerebrais, Jamelão estava ausente dos desfiles desde 2007. A responsabilidade de cantar o samba-enredo da Verde e Rosa fica mais uma vez com Luizito. À frente dos 300 integrantes da bateria do mestre Taranta, vem a rainha Gracyanne Barbosa. A escola leva à avenida 4,5 mil componentes, 31 alas e oito alegorias. Negros, caboclos, sertanejos, caipiras e sulistas sambam pelos sete setores da Mangueira, desde a chegada dos colonizadores portugueses até a construção das metrópoles. O desfile encerra com a mistura de todos os "tipos" de brasileiros, no setor "Destino Nacional". "Vamos mostrar a migração dos nordestinos para o sudeste e dos sulistas para o norte", diz Szaniecki. "Recontamos a história do Brasil. Quem assiste ao desfile se reconhece em algum momento." "Superamos os problemas, com muita criatividade." A Mangueira é a quinta a desfilar na noite de hoje e deve entrar na avenida entre 1h20 e 2h20. Confira a seguir o samba-enredo da escola, composto por Lequinho, Jr. Fionda, Gilson Bernini e Gusttavo Clarão:"A Mangueira Traz os Brasis do Brasil Mostrando a Formação do Povo Brasileiro"Deus me fez assim filho desse chãoSou povo, sou raça... miscigenaçãoMangueira viaja nos Brasis dessa naçãoO branco aqui chegouNo paraíso se encantouAo ver tanta beleza no lugarQuanta riqueza pra explorarÍndio valente guerreiroNão se deixou escravizar, lutou...E um laço de união surgiuO negro mesmo entregue à própria sorteTrabalhou com braço forteNa construção do meu BrasilÉ sangue, é suor, religiãoMistura de raças num só coraçãoUm elo de amor à minha bandeiraCanta a Estação PrimeiraCada lágrima que já rolouFertilizou a esperançaDa nossa gente, valeu a penaDe Norte a Sul desse paísTantos Brasis, sagrado celeiroCrioulo, caboclo, retrato mestiço,De fato, sou brasileiro!Sertanejo, caipira, matuto... sonhadorAbraço o meu irmãoPra reviver a nossa históriaDeixar guardado na memória, o seu valorSou a cara do povo... MangueiraEterna paixãoA voz do samba é verde e rosaE "nem cabe explicação"

CAROLINA FREITAS, Agencia Estado

23 de fevereiro de 2009 | 15h05

Tudo o que sabemos sobre:
carnavalRJMangueira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.