Mangueira faz o frevo virar samba na Marquês de Sapucaí

Desfile tem o patrocínio da prefeitura do Recife; escola quer repetir o feito de 2002, quando foi campeã

ANA LUISA WESTPHALEN, Agencia Estado

03 de fevereiro de 2008 | 14h04

A Estação Primeira de Mangueira juntará frevo com samba para tentar quebrar o jejum de cinco anos sem o título de campeã do carnaval do Rio. Com o tema 100 Anos do Frevo, É de Perder o Sapato. Recife Mandou Me Chamar..., a escola quer mostrar que essa mistura dá samba. A última vez que a agremiação evocou temas do Nordeste, com o enredo Brasil com ''z'' é pra cabra da peste, Brasil com ''s'' é nação do Nordeste, em 2002, foi campeã. Mas a promessa para 2008 é voltar a atenção para o frevo, informou o carnavalesco da escola, Max Lopes. Sobre a escolha, Lopes justificou: "O tema é alegre, irreverente, colorido. A gente precisa disso; coisa ruim já é o cotidiano que aparece no jornal." Quinta e penúltima escola a desfilar neste domingo, 3, a Estação Primeira tem previsão de entrada no Sambódromo à 1h30.     Veja também:  Portela promete desfile 'divisor de águas' no Rio  São Clemente abre desfiles no Rio com 'Família Real'  Salgueiro quer valorizar o carioca na Sapucaí  Saiba tudo sobre as escolas do Rio e ouça os sambas-enredo   Saiba tudo sobre as escolas de SP e ouça os sambas-enredo  Veja as melhores imagens de todos os desfiles em SP   Qual escola de samba será campeã em São Paulo?   Veja as melhores imagens do Carnaval 2008 pelo Brasil A promessa é de muitas sombrinhas, baile de máscaras, maracatu e cortejo carnavalesco ao som de instrumentos de percussão. O desfile tem o patrocínio da prefeitura do Recife. Segundo ele, o samba-enredo, assim como o ritmo do frevo, caiu na boca do povo. Lopes afirmou acreditar que o desfile da verde-e-rosa tem de ser tradicional. Para ele, quando se procura inovar excessivamente, a agremiação perde a essência. Lopes adiantou que a surpresa está no último carro, que tem o formato de viola e reproduz nos 50 metros de extensão uma favela com os instrumentos musicais de fanfarra, o compositor Cartola e o Galo da Madrugada, uma das tradições nordestinas. O enredo divide-se nos setores "Recife mandou me chamar", "Baile de máscaras", "Dragões de momo", "Amor de carnaval", "Bloco das flores", "O maracatu" e "O frevo". Este ano, a Mangueira não terá uma das personagens mais conhecidas da escola. Dessa vez, a cantora Beth Carvalho desfilará pela Viradouro. Mangueirense assumida, Beth desentendeu-se com a organização da Estação Primeira no carnaval de 2007 e foi retirada do carro dos baluartes da agremiação momentos antes de entrar na Avenida Marquês de Sapucaí.A Mangueira foi fundada em 1928, mas concorreu pela primeira vez em 1932. Localizada no Morro da Mangueira, tem 4.500 integrantes distribuídos em 28 alas, e oito carros alegóricos. Os compositores são Lequinho, Jr. Fionda, Francisco do Pagode, Silvão e Aníbal e o intérprete oficial, Luizito. Entre os principais destaques e celebridades que desfilarão pela escola, estão os cantores Rosemary, Maria Rita, Emilio Santiago e Pery Ribeiro; os atores Otávio Muller, Antônio Pitanga, Luís Salem, Luana Piovani, Débora Bloch, Fernanda Torres, Mel Lisboa, Giselle Itié, Beth Gofman; os diretores de cinema Andrucha Waddington e Hugo Barreto; os jornalistas Fernando Vannucci e Chico Pinheiro; o jogador de futebol de areia Junior; a jogadora de vôlei Virna, e as nadadoras de nado sincronizado Lara e Nayara. A rainha da bateria é Gracyanne Barbosa. Em 2007, a Mangueira foi a terceira colocada do grupo especial. Conquistou o título de campeã em 1932, 1933, 1934, 1940, 1949, 1950, 1954, 1960, 1961, 1967, 1968, 1973, 1984, 1986, 1987, 1998 e 2002. Confira o samba-enredo da Mangueira:100 Anos do Frevo, É de Perder o Sapato. Recife Mandou Me Chamar... Ao som de clarins Descendo a ladeira Sou Mangueira Tem frevo no samba Deu nó na madeira Orgulho da cultura brasileira A majestade é o povo, Sem o povo história não há Estende o brasão, reflete o leão, Símbolo de garra e uniãoCapoeira invade os salões Mascarados, despertam dragões E pelas ruas, vem Zé Pereira, Arrastando a multidão Nascia o frevo contagiando toda a massa E até hoje tem colombina e seus amores Passo no bloco das flores O profano é sagrado no maracatu Nos cem anos de história, desperto a alvorada Brincando no Galo da Madrugada Invade a cabeça, o corpo, embala os pés Delírio da massa, um fervo! É a Mangueira no passo do frevo Voltei de sombrinha na mão Sonhando em gritar é campeã. Mandou me chamar, eu vou Prá Recife festejar Alegria no olhar eu vejo É frevo, é frevo, é frevo!

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.