Divulgação
Divulgação

Manifestação termina com 'abraço' em represa sem água

Pessoas ocuparam parte seca de represa para pedir ao governo estadual a decretação de situação de calamidade pública nas regiões das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí

José Maria Tomazela, Agência Estado

25 Abril 2014 | 16h38

SÃO PAULO - A manifestação Salvem o Cantareira - Água para Todos terminou com um cordão humano dando um abraço nos pilares secos da ponte que passa sobre a represa Jaguari-Jacareí, na tarde desta sexta-feira, 25, entre Piracaia e Joanópolis, na região leste do Estado de São Paulo. Os manifestantes ocuparam a parte seca da represa para pedir ao governo estadual a decretação de situação de calamidade pública nas regiões das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), atingidas por forte estiagem.

O objetivo do protesto foi alertar o poder público sobre os riscos econômicos da falta de água na região da Grande São Paulo e nas Bacias PCJ, onde estão a Região Metropolitana de Campinas e os aglomerados urbanos de Piracicaba e Jundiaí, que dependem em grande parte da água que vem do Sistema Cantareira. O ato, organizado pelo Consórcio Piracicaba, Capivari e Jundiaí, reuniu cerca de 300 pessoas, entre ambientalistas e lideranças políticas da região.

A represa seca faz parte do Sistema Cantareira, que abastece a Grande São Paulo e está com o mais baixo nível da história. Um documento com 39 reivindicações para salvar o sistema e restabelecer o equilíbrio no uso das águas será enviado aos parlamentos e governos do Estado e da União.

O documento alerta para "sobre a crise provocada pela escassez hídrica na região sudeste" e propõe soluções a curto, médio e longo prazo a serem adotados neste momento extremo.

Dentre as propostas que serão apresentadas está a declaração de estado de calamidade pública nas questões hídricas para as Bacias Hidrográficas do PCJ e Alto Tietê, com liberação imediata de recursos financeiros pelos governos estaduais e União.

Crise hídrica. A bancada do PT na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp) enviou nesta quinta-feira, 25, uma representação ao Ministério Público Estadual (MPE) em que pede a apuração da responsabilidade do governador Geraldo Alckmin (PSDB) na crise hídrica que atinge o Sistema Cantareira. O partido pede também a investigação da conduta de quatro ex-diretores da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), empresa responsável pelo abastecimento de água de 364 municípios, incluindo a capital.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.