Manifestantes em Burkina Fasso cobram renúncia do presidente

Manifestantes em Burkina Fasso cobram renúncia do presidente

Blaise Compaore é um aliado próximo da antiga colonizadora França que tomou o poder num golpe em 1987

REUTERS

31 de outubro de 2014 | 09h12

Centenas de manifestantes marcharam na capital de Burkina Fasso nesta sexta-feira para exigir a renúncia do presidente Blaise Compaore, um dia depois de os militares dissolverem o Parlamento e anunciarem um governo de transição em decorrência dos protestos violentos.

"Nós não queremos ele. Queremos ele fora do poder. Ele não é nosso presidente", disse o manifestante Ouedrago Yakubo à Reuters. Os manifestantes se reuniram na principal avenida da capital Ouagadougou e em frente ao quartel-general dos militares.

Compaore, um aliado próximo da antiga colonizadora França que tomou o poder num golpe em 1987, disse na quinta-feira à noite que permaneceria no cargo para comandar um governo de transição até depois das eleições.

O anúncio do presidente foi feito após o chefe das Forças Armadas, general Honoré Traoré, dizer que iria abrir negociações com todos os partidos políticos para a criação um governo interino, com o objetivo de organizar eleições democráticas no país da África Ocidental no prazo de um ano.

Benewede Sankara, um proeminente membro da oposição, disse que o comunicado de Troaré era equivalente a um golpe militar.

"A saída de Compaore é uma condição e não negociável. Por 27 anos, Compaore tem nos ludibriado. Mesmo agora, ele está tentando nos enganar e enrolar as pessoas", disse ele à rádio RFI.

Ao menos três manifestantes foram mortos a tiros e vários outros ficaram feridos em confrontos com forças de segurança na quinta-feira, quando manifestantes atacaram símbolos do longo governo de Compaore, saquearam e atearam fogo ao Parlamento e ocuparam a TV estatal.

Os acontecimentos em Ouagadougou estão sendo acompanhados de perto por uma geração de líderes há muito no poder em países da África, que estão se prevenindo contra limites constitucionais a seus mandatos.

(Reportagem de Joe Penney em Ouagadougou e John Irish em Paris)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.