Manifestantes obrigam lojas a baixar portas em Sorocaba

Dona de uma loja chegou a enfrentar os manifestantes e a Polícia Militar teve de intervir para evitar agressões

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

28 Abril 2017 | 11h09

SOROCABA – Manifestantes obrigaram donos e gerentes de lojas a baixarem as portas, nesta sexta-feira (28), na região central de Sorocaba. Sindicalistas e estudantes se concentravam na Praça Fernando Prestes, em protesto contra as medidas do governo Temer. A dona de uma loja de celulares, Lara Vieira de Melo, protestou e enfrentou os manifestantes, alegando o direito de trabalhar.

Houve tensão e a Polícia Militar interveio para evitar agressões. A loja acabou baixando a porta. À medida que o grupo caminhava pela região central, com faixas e bandeiras, as lojas que estavam abertas eram fechadas. A greve geral afetou também os bancos – a maioria das agências não abriu às 10 horas, início do atendimento ao público. O atendimento na rede municipal de saúde foi mantido, apesar do movimento baixo por conta da greve dos ônibus. De acordo com a prefeitura, as 32 unidades básicas e os pronto-atendimentos estavam com as equipes trabalhando.

Participe. 'Estadão' vai acompanhar nas ruas a greve geral marcada para essa sexta-feira, 28. Foi afetado pela paralisação? Fotografou ou filmou um fato e quer compartilhar? Envie por WhatsApp pelo número (11) 9-7069-8639 ou baixe aplicativo 'Você no Estadão' para participar da cobertura jornalística. Com ele, você envia vídeos e fotos. Sua colaboração pode ir parar nas páginas do jornal, no portal e nos aplicativos de notícias. O app está disponível para IOS e Android.

Mais conteúdo sobre:
SOROCABAPolícia Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.