Manifestantes protestam contra mortes durante operação no Morro do Dendê

Familiares e amigos de mais duas vítimas da violência no Rio de Janeiro fizeram um protesto em frente ao Palácio Guanabara, sede do governo estadual, em Laranjeiras, na zona sul, na manhã deste sábado, 23.

FABIO GRELLET, Estadão Conteúdo

23 Maio 2015 | 13h33

O estudante Gilson Pereira dos Santos, de 13 anos, e o carregador Anderson de Jesus Martins, de 24, foram mortos na última terça-feira durante uma operação da Polícia Civil no Morro do Dendê, na Ilha do Governador (zona norte).

Testemunhas afirmam que os dois estavam numa padaria comprando pães quando um helicóptero da polícia passou atirando. Eles se abrigaram no banheiro da padaria, mas dois policiais em terra viram e teriam ido até eles e disparado. Um policial civil já admitiu ter atirado contra eles, segundo a Divisão de Homicídios. Depoimentos estão marcados para a próxima quarta feira, dia 27.

"Não tivemos nenhuma assistência do governo, nenhum pedido de desculpas do governador. Queremos ser recebidos, queremos que ele veja nossa dor", afirmou a mãe de Gilson, a auxiliar de serviços gerais Eliane Simplicio, de 43 anos. Mas nem ela nem qualquer outra pessoa do grupo foi recebida na sede do governo.

Ciclistas

Enquanto ocorria esse protesto, um grupo de aproximadamente 120 ciclistas que havia se reunido na Lagoa Rodrigo de Freitas chegou ao Palácio Guanabara para clamar por mais segurança. Eles deixaram suas bicicletas por cerca de 5 minutos no chão da pista da rua Pinheiro Machado, interditando o trânsito em frente ao palácio. Juntos, gritaram palavras de ordem por mais segurança na cidade. Depois os ciclistas foram até a sede da prefeitura para repetir o ato.

Mais conteúdo sobre:
morro do Dendêrioviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.