Manifesto cozinhista brasileiro

O panelaço do Paladar faz barulho, mas não tem gritaria porque é feio falar com a boca cheia

28 Setembro 2011 | 18h22

Esta edição, que comemora os seis anos do Paladar, é um manifesto. Não do tipo sisudo, encrenqueiro. Um manifesto mais com jeito de celebração que de abaixo-assinado. É, antes de mais nada, um convite para que você descubra - e preserve - o Brasil. Mas não vai ser fácil provar muitos ingredientes nativos e desfrutar de toda a riqueza de sabores nacionais. Boa parte desses produtos nem chega ao mercado (ou chega só de forma clandestina).

Veja também:

linkA de barro é que faz moqueca boa

linkInconfidência queijeira

linkA abelha é nativa; o mel, clandestino

linkSalvem ela, a galinha de cabidela

linkNão vai mais dar rolo

linkVocê ainda nem provou. E já está acabando

Portanto, antes de abrir a boca será preciso trabalhar, estimulando produtores artesanais e ingredientes feitos com qualidade. É uma questão de qualificar o produto e estimular o consumo. Simples? Sim, mas só dá para fazer isso agindo em conjunto, mobilizando consumidores, cozinheiros, alunos, professores de gastronomia e quem faz as leis. Se anima?

Nesta edição você vai ver alguns dos ingredientes, pratos, utensílios e técnicas que fazem parte da tradição culinária brasileira, mas estão em risco de extinção. Seja por razões ambientais, sanitárias ou porque estão caindo em desuso. São temas que têm sido frequentes no Paladar - Cozinha do Brasil. E como não adianta apenas reclamar, os chefs e palestrantes que participaram do evento do Paladar se envolveram também nesta edição, apontando problemas e soluções.

Não tivemos a pretensão de tratar de todas as questões que envolvem a gastronomia brasileira. Este é apenas o primeiro passo. Quer participar do nosso panelaço? Então, depois de ler esta edição especial, entre no Facecook (facebook.com/facecookpaladar) e se manifeste! Aponte novos problemas e soluções. Ou apenas curta nosso manifesto.

Mais conteúdo sobre:
Paladar panela&ccedil o

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.